Futebol

Presidente do Aves reunido na Liga para tentar salvar jogo com Benfica

Presidente do Aves reunido na Liga para tentar salvar jogo com Benfica

António Freitas, presidente do Aves, está reunido com Pedro Proença, presidente da Liga de Clubes, num encontro onde os dois dirigentes estão a tentar reunir condições para que a partida de amanhã com o Benfica possa mesmo acontecer

O organismo que gere o futebol profissional já deu conta que a situação dos seguros de trabalho do plantel, que segundo a SAD que gere o futebol dos avenses tinha expirado por falta de pagamentos, inviabilizando a realização dos treinos e jogos, pode ser resolvida através de um entendimento.

Nesse sentido, os jogadores e equipa técnica preparam-se para se apresentarem esta tarde para uma sessão de trabalho, no estádio, onde também está previsto a realização de uma nova ronda de testes à covid-19, assegurada pelo clube.

Ainda assim, a SAD despediu, por telefone, os dois médicos do clube, Filipe Puga e André Couto, por terem, ontem, autorizado a realização dos exames de despiste à covid-19, sem a autorização da administração da sociedade.

Entretanto, a conferência de imprensa do técnico Nuno Manta Santos de antevisão ao jogo com o Benfica não foi agendada pela SAD.

Já hoje, o presidente do Sindicato dos Jogadores, Joaquim Evangelista, mostrou confiança que serão encontradas soluções para que o Aves possa realizar os dois jogos que faltam da temporada [Benfica e Portimonense].

PUB

"Não aceito que neste momento se tentem desculpas de mau pagador. Não tenho dúvidas de que o organizador da competição tudo fará para resolver os problemas que impedem o plantel do Aves de competir. Também não duvido do compromisso de jogadores e equipa técnica. Já tenho as maiores dúvidas de que isto não se volte a repetir", apontou.

Joaquim Evangelista considerou, ainda, que esta situação do Aves é "um caso de polícia".

"Na situação atual da SAD do Aves, mais do que uma investigação de âmbito desportivo, é preciso ação policial. O que se tem passado é demasiado grave. Esta tem sido uma época penosa e ninguém pode associar a situação de pandemia ao descalabro na gestão desportiva e financeira, que fica cada vez mais evidente", referiu o presidente do Sindicato dos Jogadores.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG