Futebol

Liga impõe "aceitação da classificação" para apoiar financeiramente clubes da LigaPro

Liga impõe "aceitação da classificação" para apoiar financeiramente clubes da LigaPro

Pedro Proença convocou, para esta terça-feira, uma reunião de Direção Extraordinária com três pontos na ordem dos trabalhos. Um deles é referente à aprovação do regulamento de apoios às equipas da LigaPro. Uma das alíneas, referente ao processo de candidatura a esse apoio, sabe o JN, está a gerar algum desconforto.

A alínea 2 b) do artigo 7.º do regulamento do fundo de apoio à tesouraria em resposta à covid-19 é a que está aqui em causa e diz assim: "A declaração referida na alínea anterior inclui a aceitação da classificação final da LigaPro da época desportiva 2019-20, que constitui o Anexo I ao presente regulamento, e a renúncia expressa à respetiva impugnação".

Ora, conforme dá conta o JN na edição impressa desta terça-feira, o Cova da Piedade, uma das equipas na iminência de descer de divisão - a outra é o Casa Pia - "opõe-se frontalmente" a uma possível despromoção. No entanto, para o clube da margem sul do Tejo ficar habilitado a este apoio financeiro, não poderá impugnar a decisão de cair para o Campeonato de Portugal.

De acordo com o referido documento e, conforme o JN já tinha avançado em tempo oportuno, só podem candidatar-se ao apoio do fundo as SAD que não sejam promovidas à Liga NOS (Nacional e Farense), sendo que as equipas B de F. C. Porto e Benfica também ficam de fora da divisão.

De resto, as candidaturas ao fundo de apoio terão de ser entregues até ao dia 15 de maio e os clubes que pretendam concorrer a esse financiamento, entre outras medidas, não podem ter dívidas vencidas à Liga Portugal até essa data.

Na ordem de trabalhos desta reunião da Liga Portugal está ainda a decisão relativa às consequências desportivas do término da edição 2019-20 da Liga Pro e a definição e decisão da verba do orçamento da Liga Portuguesa de Futebol Profissional para apoio às equipas da LigaPro.

Recorde-se que o apoio financeiro dado pela Federação Portuguesa de Futebol aos clubes do segundo escalão já tem valor definido: um milhão de euros. E esse valor, sabe o JN, não está dependente da aceitação da classificação atual da LigaPro.