O Jogo ao Vivo

Futebol

Liga interdita Estádio do Jamor após vistoria ao relvado

Liga interdita Estádio do Jamor após vistoria ao relvado

A Comissão Técnica da Liga Portugal, que esteve esta terça-feira a avaliar as condições do relvado do Estádio do Jamor, optou por interditá-lo. O Belenenses SAD passará, assim, a jogar no Estádio Municipal de Mafra.

"Esta decisão foi tomada após uma visita, onde estiveram, entre outros elementos, o Presidente da Belenenses SAD, Rui Pedro Soares, tendo a Comissão Técnica da Liga decidido que, apesar de existir opção para a equipa de Petit, será feita uma nova reavaliação dia 18 deste mês ao relvado do Estádio de Honra do Jamor", pode ler-se num comunicado enviado às redações.

Na mesma nota, a Liga dá conta de que chegou a acordo com o CD Mafra e a autarquia local para que o estádio municipal possa ser usado.

De recordar que o Jamor está interditado a treinos e jogos que não sejam os do Belenenses SAD desde 14 de dezembro, na sequência dos evidentes danos no relvado.

Clube quer manter-se no Jamor

Apesar da decisão da LPFP e da hipótese de o Belenenses SAD jogar em Mafra, o presidente dos azuis, Rui Pedro Soares, mostrou-se convicto de que o Estádio Nacional vai continuar a receber os jogos caseiros dos lisboetas até ao final da Liga, a começar pela receção ao Nacional, a 20 de fevereiro.

"Vamos jogar no Estádio do Jamor até ao fim da época. É o terceiro ano que o fazemos, porque fomos expulsos do Restelo e encontrámos no Jamor condições para jogar. Esperámos dois anos pelas eleições no Belenenses clube, manteve-se a perseguição doentia e, no final desta época desportiva, vamos encontrar uma solução duradoura", vincou.

PUB

O clube e a SAD dos azuis estão afastados desde o início da temporada 2018/19, quando o protocolo de utilização do Restelo pela SAD terminou e esta mudou a equipa profissional para o Estádio Nacional, no Jamor.

Rui Pedro Soares considera que, desde o jogo com o Sporting (derrota por 2-1), a 27 de dezembro, a relva "tem ficado melhor" e elencou os motivos que levaram à degradação do terreno de jogo.

"Quando se atinge a temperatura de 5ºC, [a relva] hiberna e, se tiver gelo, o relvado morre. Houve uma temperatura fria, a relva deixou de crescer e houve dois dias com gelo e a relva morreu. Com o tempo, o relvado vai melhorar e ontem [segunda-feira] esteve muito melhor que no jogo com o F. C. Porto, há quatro dias", explicou.

Apesar das críticas, Rui Pedro Soares sublinhou que o relvado do Estádio Nacional "está longe de ser o pior da Liga", em comparação com os recintos dos clubes insulares (Santa Clara, Nacional e Marítimo), afirmando que o Belenenses SAD não se justifica com o campo nos maus resultados.

"Nós lutamos em todos os estádios deste país, qualquer que seja o campo. Para nós não é problema. A temperatura vai subir, vamos ter sol e os tratamentos necessários para, no dia 20 (dia do próximo jogo em casa, diante do Nacional], estar muito melhor do que o do Nacional quando lá jogámos na primeira volta", disse.

Em agosto, o presidente dos azuis confirmou negociações para construir um centro de estágio "de excelência" e fixar-se no município de Grândola. Os clubes da Liga têm de indicar o estádio onde irão jogar na próxima temporada até ao final de fevereiro e Rui Pedro Soares, sem adiantar detalhes, frisou que Grândola continua a ser "a melhor hipótese".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG