F. C. Porto

Mais importante do que o contrato "é a dedicação ao clube", diz Conceição

Mais importante do que o contrato "é a dedicação ao clube", diz Conceição

O treinador do F. C. Porto assinou este sábado novo contrato com o clube, para as próximas três temporadas, e garantiu que "mais importante do que aquilo que está no contrato" é o amor e a dedicação que sente pelo emblema azul e branco.

Em declarações aos jornalistas depois da assinatura do contrato com o emblema azul e branco, Sérgio Conceição mostrou-se satisfeito com a permanência no clube, que o "obriga a ser melhor todos os dias".

A propósito da notícia avançada esta manhã pelo JN - de que a renovação não seria sinónimo de melhoria salarial - o técnico garantiu que "obviamente que existem outras coisas muito mais importantes do que o contrato". "Conta é a nossa dedicação ao clube", referiu, deixando a promessa de que continuará a ser "exigente".

"Li muita coisa e eu não exijo nada. Eu sou exigente por natureza. Estou num clube exigente, com o presidente mais titulado do mundo. Um clube com sete títulos internacionais que honram Portugal", frisou, explicando ainda que, no final da época, optou por não dar conferências de imprensa para se concentrar no realmente "importante". "Foi estratégico", reconheceu.

Sérgio Conceição, que é o primeiro treinador da era Pinto da Costa a cumprir mais do que quatro épocas consecutivas, confessou ainda o "orgulho enorme" que sente pelo clube: "não pelo que já fizemos mas por aquilo que ainda vamos fazer". "Muitas vezes não é fácil lidar comigo, mas o sucesso do F. C. Porto é o meu objetivo", garantiu.

PUB

O presidente dos azuis e brancos também comentou a questão salarial de Conceição, assegurando que o aumento nunca esteve em cima da mesa.

"O Sérgio sempre disse que queria ficar. E quando lhe disse que teriam de ser as mesmas condições, não colocou a mínima objeção", frisou Pinto da Costa, acrescentando não ter a menor dúvida de que "vão ser três anos de sucesso".

O dirigente esclareceu também que o treinador teve apenas de escolher a duração do novo vínculo. "Dei-lhe a escolher se queria dois ou três anos, para coincidir com o final do meu mandato, e ele escolheu".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG