Futebol

"Maldição" de Guardiola já se arrasta por mais de uma década

"Maldição" de Guardiola já se arrasta por mais de uma década

Técnico espanhol não vence a Champions há 11 anos. Investimentos avultados em Munique e Manchester não foram suficientes para repetir os êxitos pelo Barcelona.

Já lá vão 11 anos desde que Pep Guardiola venceu pela última vez a Liga dos Campeões. Estávamos em 2011. O Barcelona de Xavi, Iniesta e Messi, entre outros, carburava em pleno, ganhava a segunda de duas finais contra o Manchester United de Alex Ferguson em três anos, e a aura do treinador espanhol levava a que todos o olhassem de uma forma especial.

Após a conquista de Wembley, Guardiola dizia ser "um privilegiado" por orientar aqueles jogadores, e a verdade é que sem eles nunca mais conseguiu vencer a Champions, mesmo tendo orientado o crónico candidato Bayern Munique e o milionário Manchester City desde que deixou a Catalunha.

A queda no Bernabéu, na quarta-feira, numa eliminatória que parecia decidida ao minuto 90 mas que o Real Madrid virou do avesso, foi apenas mais um duro episódio na malapata de Pep Guardiola na prova milionária. Foi a sexta vez que o técnico espanhol caiu nas meias-finais da Champions, igualando José Mourinho neste ranking.

Só pelo Bayern, clube que orientou durante três épocas, somou três eliminações nas "meias", uma delas com o Real Madrid de Ancelotti, em 2014. As duas restantes aconteceram ainda na Catalunha.

No Manchester City desde 2016, Guardiola só na época passada conseguiu passar dos quartos de final, ano em que atingiu a final, perdida para o Chelsea (1-0), no Estádio do Dragão.

O que tem faltado ao espanhol para dar o último passo? Dinheiro não é, de todo. Só no clube inglês já gastou mais de mil milhões de euros em reforços, fazendo dos 200 milhões investidos pelo Bayern Munique nas três épocas que contou com o treinador espanhol uma ninharia.

PUB

Há já quem lhe chame de maldição, mas Guardiola recusa-se a atirar a toalha ao chão. Na ressaca da eliminação no Santiago Bernabéu, disse estar "muito feliz" em Manchester e lembrou as "grandes coisas" conquistadas até aqui.

De facto, se tirarmos a Champions da equação, o ritmo de conquistas internas do técnico catalão em todos os clubes que orientou é assinalável, mas o peso da liga milionária em equipas com o estatuto de Barcelona e Bayern Munique e o dinheiro do Manchester City quase que ofusca o resto.

Ainda na luta pela conquista da Premier League, numa corrida a dois com o Liverpool, os "citizens" voltarão a tentar levantar a "Orelhuda" na próxima temporada. Guardiola também terá isso em mente. Resta saber se o farão em conjunto.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG