MotoGP

Miguel Oliveira qualifica-se em sexto para o GP dos Países Baixos

Miguel Oliveira qualifica-se em sexto para o GP dos Países Baixos

O português Miguel Oliveira (KTM) qualificou-se, este sábado, na sexta posição da grelha de partida para o Grande Prémio dos Países Baixos de MotoGP, nona prova da temporada.

O corredor da KTM fez a sua melhor volta em 1.32,450 minutos, terminando a 0,636 segundos do mais rápido, o espanhol Maverick Viñales (Yamaha).

Depois de ter sido o último classificado na ronda anterior, na Alemanha, o piloto da marca dos três diapasões estabeleceu um novo recorde ao circuito de Assen, nos Países Baixos, batendo o francês Fábio Quartararo (Yamaha), seu companheiro de equipa e líder do campeonato, por 0,071 segundos. O italiano Francesco Bagnaia (Ducati) foi o terceiro, a 0,302s do mais rápido.

O espanhol Marc Marquéz (Honda) fez a pior qualificação da carreira, ao terminar na 20.ª posição, depois de sofrer mais uma queda ainda durante a primeira fase da sessão, a Q1.

Miguel Oliveira chega a esta nona prova da temporada na sétima posição do campeonato, com 74 pontos, a 57 do líder, o francês Fábio Quartararo (Yamaha).

"Estamos um pouco mais afastados dos líderes do que nas últimas corridas, mas o resultado é o mesmo, pois estamos em sexto como na Alemanha. Estou um pouco mais afastado do que gostaria, mas temos uma ideia do que queremos para a corrida", frisou o piloto de Almada.

PUB

Miguel Oliveira antecipa uma "corrida dura" no domingo, contudo garante estar "confiante".

"Cada fim de semana é um desafio diferente. Tínhamos uma mota que se ajustava ao traçado de Assen, mas tivemos que acertar algumas coisas. Também tivemos chuva ontem [sexta-feira], o que nos atrasou o trabalho. Mas acredito que estejamos mais ou menos lá. Às vezes, não dará para lutar por pódios e vitórias, mas estaremos no 'top 5'", apontou o piloto português, acrescentando que "neste nível, todas as corridas são difíceis".

Sobre a deste fim de semana, acredita que "será fisicamente dura para todos", pelo que o físico "talvez seja uma parte super importante".

Neste circuito, considerado a "Catedral do motociclismo", o "arranque é menos crítico para ganhar posições", porque a reta antes da primeira curva é mais curta. Ainda assim, Oliveira espera "fazer um bom arranque e ganhar algumas posições no início".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG