Motociclismo

Miguel Oliveira quer terminar época em alta

Miguel Oliveira quer terminar época em alta

Miguel Oliveira (KTM) assumiu esta quinta-feira o objetivo de terminar "em alta" o Mundial de pilotos de Moto GP de 2021, reconhecendo o entusiasmo com a possibilidade de celebrar com público, em Portimão, no domingo.

"Estou a sentir-me muito bem, esta vai ser a primeira vez em que posso sentir o público português numa corrida de MotoGP. Espero que gostem, se divirtam e, no domingo, possamos celebrar algo", afirmou o piloto natural de Almada, na conferência de imprensa de antevisão do Grande Prémio do Algarve, 17.ª e penúltima prova do Mundial.

Miguel Oliveira chega à segunda passagem da categoria 'rainha' por Portugal em 2021 no 10.º lugar do campeonato, com 92 pontos, depois de ter sofrido uma queda na corrida anterior, em Misano, em Itália.

PUB

O vencedor na estreia em MotoGP do Autódromo Internacional do Algarve (AIA), em novembro de 2020, com um 'Grand Chelem', ao juntar a liderança durante toda a corrida à pole position e conseguindo a volta mais rápida, naquela que foi a sua segunda vitória na competição, o português sofreu uma queda na primeira corrida de 2021 em Portimão, em 18 de abril, não conseguindo melhor do que o 16.º lugar.

"Chegamos aqui com uma mentalidade diferente do início da época. As condições eram diferentes, definitivamente. Agora, mesmo depois de em Misano não ter tido um bom resultado, a ligação com a mota e a sensação foi boa. Amanhã [na sexta-feira] vou partir com este sentimento e acabar em alta as duas últimas corridas", prometeu.

Por isso, e depois de reconhecer que a lesão no pulso direito foi mais limitadora do que pensava na parte inicial da temporada, o piloto da KTM disse ter "razões para acreditar num bom resultado".

"Depende de muitas coisas, toda a gente gosta desta pista e toda a gente anda muito rápido. Durante a corrida, temos de ver qual será uma boa linha e qual o resultado que podemos alcançar", referiu.

Antevendo a temporada de 2022, Miguel Oliveira apontou como objetivo "melhorar um pouco de cada ponto da mota, principalmente o quadro".

Já com o título mundial assegurado, o francês Fabio Quartararo (Yamaha) admitiu, "depois de uma semana especial", sentir-se "preparado para a corrida" em Portimão, onde venceu a terceira etapa do Mundial.

"Honestamente, não sinto pressão, porque atingi o meu objetivo, dei o meu melhor e vou continuar a dar, para ver o que podemos alcançar", frisou Quartararo, quando questionado sobre a luta pelos títulos de equipas -- a Monster Energy Yamaha tem 13 pontos de avanço face à Ducati Lenovo - e de construtores -- a Ducati lidera com 12 pontos de vantagem sobre a Yamaha.

O italiano Francesco Bagnaia (Ducati), segundo do Mundial, a 65 pontos de Quartararo, lamentou a desistência em Misano, felicitando, novamente, o francês pelo seu primeiro título mundial.

"Eu perdi uma corrida e não o campeonato. Só ganhando em Misano tinha oportunidade. Era um objetivo lutar pelo campeonato, mas era o ano do Fabio. Tinha de vencer e eu lutei", frisou o italiano.

O compatriota Enea Bastianini (Ducati) ainda disputa o título de "rookie" do ano, com o espanhol Jorge Martin (Ducati), sobre o qual tem cinco pontos de avanço.

"Um pódio na última corrida foi bom e agora estou em vantagem sobre o Martin, aqui acho que posso estar bem, mas não sou muito rápido em Valência. Estou disponível para lutar", rematou Bastianini, recordando ter arrebatado o título de campeão do mundo de Moto2 de 2020 em Portimão, onde foi quinto.

O Grande Prémio do Algarve, 17.ª e penúltima prova do Mundial de MotoGP, vai ser disputado entre sexta-feira e domingo, no AIA, em Portimão.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG