Racismo

Ministério Público abre inquérito ao caso Marega

Ministério Público abre inquérito ao caso Marega

O Ministério Público confirmou esta segunda-feira a abertura de um inquérito ao caso dos insultos racistas ao jogador do F .C. Porto Marega na partida com o Vitória Sport Clube, em Guimarães.

A Procuradoria-Geral da República confirmou ao JN a instauração de um inquérito e que o caso está em investigação no DIAP de Guimarães, que encarregou a PSP de apurar os factos que poderão configurar um crime de incitação ao racismo. "Confirma-se a instauração de um inquérito. O mesmo encontra-se em investigação no DIAP de Guimarães", lê-se na resposta da PGR enviada ao JN.

O esclarecimento da PGR surge no mesmo dia em que o diretor nacional da PSP anunciou que está analisar as imagens de videovigilância para que "rapidamente se consiga identificar o aparente elevado número de pessoas que participaram nos cânticos racistas" ao futebolista.

A PSP não identificou ou deteve qualquer adepto no Estádio Afonso Henriques, em Guimarães, mas está "a fazer as diligências necessárias" para levar às entidades judiciais os responsáveis pelos insultos racistas que visaram o jogador Marega.

Uma das medidas que estará a ser levada a cabo pela PSP é a visualização das imagens de videovigilância do estádio para identificar os adeptos que proferiram insultos e cânticos racistas para com o jogador do F. C. Porto Moussa Marega.

A PSP explica que o comportamento dos espetadores que ontem, domingo, durante o jogo entre o Vitória Sport Clube e o F. C. Porto, "dirigiram palavras e gestos racistas e xenófobos ao jogador Marega, configura um crime previsto e punido no Código Penal" e que poderá ser punido com pena de prisão de seis meses até cinco anos.

Marega abandonou, no jogo de domingo, o relvado no duelo frente ao Vitória, que o F. C. Porto venceu (2-1), depois de ouvir insultos racistas vindos das bancadas.

Já na segunda parte, pouco depois de ter marcado o segundo golo do F. C. Porto, o avançado dos dragões ouviu insultos racistas das bancadas - os apoiantes terão imitado sons de macacos - e pediu para abandonar o relvado. Os companheiros de equipa, bem como Sérgio Conceição, tentaram impedir o camisola 11 de sair mas Marega acabou mesmo por seguir para os balneários - foi rendido por Manafá - e condenou a atitude dos apoiantes vimaranenses.