Automobilismo

Mundial de Fórmula 1 arranca domingo com oito provas confirmadas

Mundial de Fórmula 1 arranca domingo com oito provas confirmadas

O Campeonato do Mundo de pilotos de Fórmula 1 arranca este domingo, na Áustria, após o adiamento devido à pandemia de covid-19, sem público, com apenas oito provas confirmadas e com Portugal em vias de receber um Grande Prémio, 24 anos depois.

A nível competitivo, Lewis Hamilton pode igualar o recorde de sete títulos conquistados pelo alemão Michael Schumacher. O piloto britânico, campeão em título, tem dominado a era híbrida da Fórmula 1, que começou em 2014, tendo conquistado cinco títulos em seis anos (2014, 2015, 2017, 2018 e 2019), juntando-os ao que já tinha alcançado em 2008, pela McLaren.

Com 250 corridas já disputadas e 84 vitórias na carreira, Hamilton pode igualar ou superar os 91 triunfos que Schumacher registou em 308 corridas (outro recorde detido pelo alemão). O sétimo e último título de Michael Schumacher foi conquistado em 2004, aos 35 anos, precisamente a idade de Lewis Hamilton, que procura tornar-se o mais bem-sucedido piloto de sempre na Fórmula 1.

Para já, detém o recorde de "pole positions", com 88, e tem ainda 151 pódios, menos quatro do que "Schumi", pelo que também esse registo deve cair este ano.

O atraso no regresso ao trabalho permitiu à Red Bull resolver alguns problemas e, pelo menos aparentemente, aproximar-se do nível de prestações da Mercedes, que mudou a cor do carro do prateado para negro como forma de protesto contra o racismo.

Já a Ferrari aproveitou a paragem para criar um problema adicional. Para além do atraso em termos de desempenho que aparenta face aos Mercedes e Red Bull, anunciou já a substituição do alemão Sebastian Vettel pelo espanhol Carlos Sainz, mas que se consumará apenas no final da temporada.

Será, por isso, um ambiente pesado o que se vai viver nas boxes da equipa italiana, até porque Vettel ainda não definiu o futuro e viu já fecharem-se diversas portas e terá Charles Leclerc como um companheiro ainda mais reforçado do que há um ano.

O mesmo se passa na Renault, que viu o australiano Daniel Ricciardo anunciar a partida para a McLaren, também no final da temporada que ainda nem começou, o que revela uma grave desconfiança quanto ao desempenho da equipa em 2020.

Na Red Bull, o holandês Max Verstappen segue com estatuto intocável.

Depois de um arranque em falso na Austrália, em março, com a pandemia a impedir o normal arranque do campeonato quando todo o circo já estava montado, espera-se que alguma normalidade regresse com o início das corridas no circuito austríaco de Spielberg, o Red Bull Ring, apesar de o público estar fora da equação.

As medidas de proteção implicam um maior isolamento entre as equipas e restrições quanto ao número de elementos presentes. O espetro do adiamento ou cancelamento continua a pairar sobre o campeonato, num ano que prometia ser histórico pois o campeonato cumpre o 70.º aniversário.

Calendário do Mundial de Pilotos de Fórmula 1:

05 julho - Grande Prémio da Áustria (Spielberg)
12 julho - Grande Prémio Steiermark (Spielberg)
19 julho - Grande Prémio da Húngria (Budapeste)
02 agosto - Grande Prémio de Inglaterra (Silverstone)
09 agosto - Grande Prémio 70 Anos de F1 (Silverstone)
16 de agosto - Grande Prémio de Espanha (Barcelona)
30 de agosto - Grande Prémio da Bélgica (Spa-Francorchamps)
06 setembro - Grande Prémio de Itália (Monza)

Outras Notícias