F. C. Porto

"Não há pressão para vender em janeiro", diz Fernando Gomes

"Não há pressão para vender em janeiro", diz Fernando Gomes

Na apresentação do exercício financeiro da época 2018/19, Fernando Gomes, administrador da SAD portista para a área financeira, mostrou-se confortável com o lucro de 9,4 milhões e projetou o futuro, que, face à eliminação na Champions League, obriga a outras soluções.

"Temos uma almofada de 22,2 milhões e estamos relativamente tranquilos quanto ao cumprimento das regras do fair-play financeiro da UEFA. Este ano vai ser tão desafiante como os anteriores. Em 27 edições da Liga dos Campeões, o F. C. Porto falhou quatro. Este ano é um deles. A ausências dessas receitas traz-nos um constrangimento acrescido, que não estávamos à espera, mas que é amortecido pelos bons resultados das épocas anteriores, apesar do cumprimento do fair-play financeiro".

Contas feitas, o F. C. Porto deixa de encaixar 50 milhões pela ausência na fase de grupos da Liga dos Campeões. "Vender jogadores em janeiro? Aqui não há janeiro ou dezembro. O exercício acaba a 20 de junho de 2020. Não há nenhuma pressão para vender em janeiro. Agora, se me perguntarem que será importante fazer mais valias com a venda de ativos, a resposta é sim. Faz parte do orçamento e estamos a falar de cerca de 65 milhões em mais valias", revelou Fernando Gomes, que fez questão de salvaguardar a competitividade da equipa azul e branca: "O que sempre preocupou o presidente e a administração foi ter sempre uma equipa competitiva que permita ter sucesso desportivo. Pode não acontecer, mas tudo é feito com esse objetivo e enquadramento. Não há uma conduta cega que coloque em causa a qualidade competitiva da equipa".

O administrador portista explicou a subida de custos com pessoal, que passou de 78 para 91 milhões. "Deveu-se, sobretudo, a três situações. As rescisões de contrato com os jogadores Bueno e o Bazoer, ao ajustamento dos contratos pela conquista do campeonato da época passada e os prémios extraordinários face à passagem da fase de grupos da Liga dos Campeões".

A finalizar, Fernando Gomes comentou a situação financeira do Sporting, que tem recorrido à Banca para resolver alguns problemas de tesouraria. "Não queríamos estar nessa situação e, felizmente, não estamos. Eles que façam tudo que estiver ao seu alcance, mas é evidente que o Sporting está a ser beneficiado com um conjunto de apoios que não é permitido a outros clubes".