Francisco J. Marques

"Ninguém tem duvidas das sucessivas decisões simpáticas para o Benfica"

"Ninguém tem duvidas das sucessivas decisões simpáticas para o Benfica"

No programa "Universo Porto da Bancada" desta terça-feira, o diretor de comunicação do F. C. Porto afirmou que as mais recentes notícias sobre o alegado controlo do Benfica no futebol não o surpreendem.

"Não estou propriamente surpreendido, porque o que agora os média revelaram não é muito diferente do que nós aqui fomos conversando. A diferença é que há documentação do próprio Benfica que vem confirmar acusações que lhe foram feitas, quando há uma suposta reunião de quadros do Benfica em que se assume que se quer controlar a arbitragem, poder judicial, medias e Federação Portuguesa de Futebol. São estes pilares em que o Benfica se baseou nas últimas épocas", começou por afirmar Francisco J. Marques.

O diretor de comunicação dos azuis e brancos salientou que o caso e-toupeira é um exemplo do controlo encarnado no poder judicial.

"No processo judicial, o e-toupeira é um exemplo do que ao poder judicial diz respeito, desse mesmo plano. Havia uma intenção em 2012 de interferir no poder judicial. Como foi feito? Através da corrupção de elementos judiciais que, em troca de viagens, bilhetes e camisolas aceitaram prestar esses serviços ao Benfica. Esse mesmo documento do Benfica era mesmo disso que tratava, porque havia uma menção a isso mesmo, de procurar controlar juízes, autarcas e autores da vida pública a favor do Benfica".

Para Francisco J. Marques, "hoje em dia, ninguém tem duvidas no beneficio e das sucessivas decisões simpáticas para o Benfica. O permanente conhecido, claríssimo à vista de toda a gente apoio que o Benfica presta às claques ilegais perante o lavar de mãos do Governo. Mostra que o Benfica conseguiu interferir, não sofrendo represálias pelas práticas. É demasiado grave para continuar a fingir que estamos perante um caso menor. É o maior escândalo do futebol português e extravasa o desporto".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG