Desporto

Padres portugueses são campeões europeus de futsal

Padres portugueses são campeões europeus de futsal

Os padres portugueses são os novos campeões europeus de futsal para sacerdotes católicos, tendo ganho o torneio realizado na Hungria.

A vitória, nos penáltis, sobre a favorita Croácia, por 5-4, permitiu aos padres portugueses fazer história. "Trabalhamos muito e funcionamos sempre como uma equipa, na qual são todos bons jogadores", disse, ao JN, António Cunha, o padre de Arcos de Valdevez que acumula as funções de "treinador e seleccionador".

Quase sem voz de "tanto gritar", o seleccionador já tem marcado um jantar, na próxima semana, para comemorar o título. Dos 12 países presentes (Portugal, Áustria, Bósnia, Croácia, Eslováquia, Eslovénia, Espanha, Hungria, Itália, Polónia, Roménia e Ucrânia), a tricampeã polaca era a mais temida.

Sem patrocínios, ano após ano, a participação dos sacerdotes é paga pelos jogadores. Este ano, para a Hungria, a viagem rondou os 500 euros. "As únicas ajudas que temos são a oferta de equipamento e a cedência gratuita de pavilhões para os treinos", frisou António Cunha. Os treinos são sempre aos domingos. "De manhã, celebramos as missas nas nossas paróquias e, à tarde e à noite, treinamos", disse o seleccionador.

Ao dispor dos padres estão os pavilhões de Marco de Canaveses e de um colégio de Braga. Os sacerdotes já vão realizar as actividades paroquiais no fim-de-semana. "A população sabe que participamos no Europeu. Na missa vamos ter de falar disso", finalizou o padre António Cunha.

Recepção apoteótica no aeroporto

Os padres portugueses tiveram uma recepção à altura no aeroporto Sá Carneiro, esta sexta-feira, pouco depois das 23 horas, quando, finalmente, terminaram a viagem iniciada em Budapeste, na Hungria.

Mais de uma centena de pessoas, provenientes de vários pontos do país, vitoriaram os sacerdotes com gritos de "campeões, nós somos campeões", ao som de buzinas. Bandeiras e cachecóis não faltaram e a explosão de alegria aconteceu quando, equipados a rigor com as cores de Portugal, os novos heróis da Igreja exibiram o troféu.

*com Nuno A. Amaral