O Jogo ao Vivo

Exclusivo

Paredes: colecionar memórias para a vida e sonhar com um grande palco

Paredes: colecionar memórias para a vida e sonhar com um grande palco

Clube do Campeonato de Portugal acredita que pode ir mais além dos oitavos de final da Taça de Portugal. Visitar Alvalade, Dragão ou Luz é desejo.

Pedro Correia não é uma novidade na história da Taça de Portugal. Já lhe acrescentou um hat-trick, já se viu frente a frente com F. C. Porto e Sporting, já viveu uns quartos de final. E continua a colecionar memórias. Das Boas. Tão boas que atenuam algumas mágoas. "Se há uns meses me dissessem que ainda ir dar entrevistas a viver estes momentos, não acreditava", diz, ao JN, o avançado de 33 anos.
Depois de ter ajudado a levantar o Vizela e o Famalicão, desencantou-se com o futebol - mais com as pessoas que o fazem, vá -, chateou-se, foi-se abaixo com as falsas promessas e chegou a dar a carreira como perdida. Para mal dos pecados de Académico de Viseu (3-1), primeiro, e Torreense (1-0), depois, não foi bem assim. Sorri: "Estou a tornar a viver coisas boas", resumidas com três golos decisivos (dois na terceira eliminatória e um nos 16 avos de final) que fazem do Paredes um tomba-gigantes.
Se Pedro Correia, que já se vê "a defrontar o Benfica, no Estádio da Luz", reaviva a memória, do outro lado do campo há quem esteja a experimentar sensações novas. Depois de vários anos a ver os outros jogar no Paços de Ferreira, Marco Ribeiro é o bastião de uma das equipas menos batidas do futebol português (apenas quatro golos sofridos) e, aos 26 anos, acredita que vai a tempo de "relançar a carreira". Para já, a convicção de que "seja qual for o próximo adversário, terá dificuldades em marcar ao Paredes". Qual? "Gostaria de juntar a camisola do Adán ou do Diogo Costa às do Marchesín e do Helton Leite", diz.
Por trás de tudo isto, está o treinador Eurico Couto. Na época passada, vendeu cara a derrota ao Benfica (0-1); agora, "gostaria de tentar travar o Sporting e as dinâmicas do 3x4x3". Acima disso, só dois desejos: "Jogar num grande palco e passar aos quartos de final".

Agarrado às raízes e um exemplo de estabilidade

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG