O Jogo ao Vivo

Assembleia Geral

Pedida investigação à divulgação de ata de reunião do Sporting

Pedida investigação à divulgação de ata de reunião do Sporting

A Mesa da Assembleia Geral (MAG) do Sporting pediu este sábado à Procuradoria-Geral da República para investigar a divulgação da ata da reunião dos órgãos sociais, considerando que o documento está cheio de falsidades.

"Para além de ilegal, nos termos gerais de Direito, a divulgação pública do documento em causa preenche também, objetiva e subjetivamente, uma prática criminosa que não pode deixar de merecer a respetiva censura e resposta, pelo que, na defesa dos interesses do Sporting Clube de Portugal (...), considera-se que se impõe sobre a Procuradoria-Geral da República uma investigação sob a situação da designada 'ata', tendo também sobretudo em conta que a sua divulgação pública constitui prática dolosa e enganosa", lê-se num comunicado.

No mesmo documento, a MAG considera que a ata foi "ardilosamente construída" e que tem um teor "manipulado, truncado e incompleto, contendo um conjunto vasto de falsidades, de intervenções parcialmente transcritas e outras totalmente descontextualizadas".

Na sexta-feira, o porta-voz da direção do Sporting, Fernando Correia, disse que a ata ia ser enviada aos sócios do clube, tendo sido hoje divulgados alguns excertos em vários órgãos de comunicação social.

O presidente demissionário da Mesa da Assembleia Geral do Sporting, Jaime Marta Soares, disse na quinta-feira que ficou agendada para 23 de junho uma Assembleia-Geral de destituição dos órgãos sociais do clube.

A crise que se vive no Sporting iniciou-se no dia 15 de maio, quando cerca de 40 encapuzados invadiram a Academia do Sporting, em Alcochete, e agrediram alguns jogadores e elementos da equipa técnica.

A GNR deteve 23 dos atacantes, que ficaram em prisão preventiva depois de terem sido ouvidos no tribunal de instrução criminal do Barreiro.