Fórmula 1

Penalização adia recorde a Hamilton e dá vitória no GP da Rússia a Bottas

Penalização adia recorde a Hamilton e dá vitória no GP da Rússia a Bottas

Uma penalização de 10 segundos ao britânico Lewis Hamilton (Mercedes) deixou a vitória no Grande Prémio da Rússia de Fórmula 1 nas mãos do finlandês Valtteri Bottas (Mercedes), que recuperou 11 pontos ao líder do campeonato.

Bottas terminou a corrida russa com o tempo de 1:34.00,364 horas, deixando o holandês Max Verstappen (Red Bull) na segunda posição, a 7,729 segundos, com Hamilton em terceiro, a 22,729.

Saindo da pole position, o campeão em título ambicionava igualar as 91 vitórias conseguidas pelo alemão Michael Schumacher ao longo da carreira, um recorde na história da modalidade.

Contudo, durante a volta de aquecimento, Hamilton treinou a partida em dois locais proibidos e entrou na corrida já sob investigação.

A partida viu o jogo de equipa da Mercedes, com Bottas a aproveitar a aspiração do carro do britânico para suplantar Max Verstappen e chegar à primeira curva a discutir a liderança, mas Hamilton usou a experiência e conservou o primeiro lugar.

No entanto, uma vez que era o único dos pilotos da frente com pneus macios, foi, também, o primeiro a parar. E foi nessa altura que cumpriu os 10 segundos de penalização, cinco por cada uma das duas infrações, caindo para o meio do pelotão.

No início da semana, foram dadas indicações aos pilotos para não treinarem as partidas no final do pit lane (via das boxes) e foi aí, precisamente, que Hamilton cometeu a primeira infração.

O líder do campeonato encetou, então, uma recuperação desde o 11.º lugar, conseguindo chegar ao terceiro posto já nas derradeiras voltas.

No final, recusou comentar o incidente apesar de, durante a corrida, e pela rádio, ter dito que era uma situação "ridícula".

"Não há muito a dizer, é o que é", frisou.

Para além dos 10 segundos que lhe custaram a 91.ª vitória da carreira num circuito em que só ganhou a Mercedes desde que entrou no campeonato, em 2014, o campeão mundial viu serem-lhe acrescentados mais dois pontos na super-licença. Significa que está a apenas dois de ser sancionado com uma corrida de suspensão.

Ao longo de 12 meses, os pilotos não podem ter mais de 10 pontos de penalização.

Será no GP da Turquia que se cumprirão 12 meses desde o incidente entre Hamilton e o tailandês Alexander Albon (Red Bull) no GP do Brasil de 2019.

Depois disso, o britânico foi ainda sancionado com outros quatro pontos no GP da Áustria deste ano, dois por ter ignorado uma situação de bandeiras amarelas na qualificação e outros dois por outro incidente de corrida com Albon. Já em Itália, recebeu mais dois por ter entrado nas boxes quando estavam fechadas.

Desta forma, Valtteri Bottas herdou o comando e venceu pela segunda vez este ano, depois de já o ter feito na Áustria, conquistando o nono triunfo da carreira. Como somou ainda a volta mais rápida da corrida, marcou um ponto extra.

Hamilton continua líder do campeonato, agora com 205 pontos, enquanto Bottas é segundo, com 161. Verstappen é terceiro, com 128.

A próxima prova, a 11.ª da temporada, será o GP da Alemanha, em Nurburgring, em 11 de outubro, que antecede a viagem para Portimão, duas semanas depois.

Outras Notícias