O Jogo ao Vivo

F. C. Porto

Pinto da Costa aborda relações entre presidentes: "Sempre me dei com o Rui Costa"

Pinto da Costa aborda relações entre presidentes: "Sempre me dei com o Rui Costa"

O presidente do F. C. Porto garantiu, esta quarta-feira, que mantém uma boa relação com Rui Costa, recentemente eleito presidente do Benfica, e deixou ainda críticas ao valor de impostos que os clubes são obrigados a pagar.

"Conheço o Rui Costa há muitos anos. Mesmo nos tempos mais difíceis de relacionamento entre F. C. Porto e Benfica, sempre me dei com o Rui Costa com conhecimento do presidente Luís Filipe Vieira, com quem não falei durante muito tempo. Ele sabia e achava bem que nos continuássemos a falar, porque nos conhecíamos e nunca tivemos nenhum problema um com o outro. Se o F. C. Porto e o Benfica se entenderem é mau. Quando se fez uma tentativa, liderada pelo Luís Filipe Vieira, as televisões caíram em cima dos encontros no Rei dos Leitões e parecia que era um crime os presidentes estarem a entender-se e a falar", começou a dizer Pinto da Costa em entrevista à TSF, acrescentando que o facto de Rui Costa já ter sido jogador não "garante nada" na forma de presidir o clube encarnado.

"Será bom ter ex-jogadores tal como será bom ter ex-banqueiros ou bancários ou ex-médicos. Será bom em qualquer circunstância se forem capazes de dirigir o clube. O facto de ter sido jogador não garante nada mas há, naturalmente, antigos jogadores nos clubes que são capazes de dirigir qualquer interesse e o futebol neste momento, em certo sentido, é uma empresa, embora tendo objetivos diferentes das normais. Não é só o lucro, são vitórias. Tenho mais ex-jogadores na direção do que o Vítor Baía. Tenho o Fernando Gomes, um antigo jogador de hóquei, o Vítor Hugo, dos melhores jogadores do mundo. O facto de serem antigos atletas não lhe dá garantia, mas quando têm qualidade são capazes de dirigir em qualquer situação e em qualquer empresa".

Contente com o último relatório e contas apresentado - "permitiu-nos sair do fair-play financeiro que era uma situação desagradável e cria boas perspetivas para no futuro" - Pinto da Costa deixou ainda algumas críticas ao Governo, nomeadamente quanto ao valor de impostos que um clube é obrigado a pagar.

"Quase um terço do nosso orçamento é para impostos. São mais de 40 milhões de euros para o Estado em impostos, com zero de ajudas. Isso cria muitas dificuldades ao F. C. Porto e aos clubes em geral. Vamos procurando resolver os nossos compromissos. Pagamos 23% para ir ao futebol, para depois o Presidente da República dar 'shows' a receber as equipas quando ganham. E, nas touradas e espetáculos pornográficos, o IVA é de 6%. É incompreensível para mim, mas quem governa tem uma inteligência muito superior à nossa e compreenderá como isso é explicável, embora nunca o tenha feito", concluiu.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG