Desporto

Pinto da Costa diz que inquérito concluiu que não jantou com árbitro

Pinto da Costa diz que inquérito concluiu que não jantou com árbitro

Pinto da Costa desmentiu ter jantado com o árbitro da primeira-mão da meia-final da Liga Europa. O presidente do F. C. Porto reagiu à notícia de que foi apresentada uma queixa na Procuradoria-Geral da República, garantindo que jantou no restaurante em que foi agredido "aquele meia-tijela" do Benfica e não na mesma marisqueira a que foram os árbitros.

A Procuradoria-Geral da República (PGR) recebeu uma queixa contra o presidente dos "dragões" por causa de um alegado jantar com o árbitro do F. C. Porto-Villarreal, da primeira "mão" das meias-finais da Liga Europa de futebol. Pinto da Costa desmente.

"Ao tomar conhecimento da notícia, a UEFA abriu imediatamente um inquérito. Chamou os observadores dos árbitros, da UEFA, e os delegados ao jogo e perguntou o que tinha acontecido. Garantiram que nunca em situação alguma eu e o Reinaldo Teles, que também era falado na tal notícia, tínhamos tido algum contacto com os árbitros", disse o presidente do F. C. Porto, em entrevista à RTP, segunda-feira à noite.

"O árbitro jantou numa marisqueira, eu não", disse Pinto da Costa. O presidente do F. C. Porto disse ter jantado "naquele restaurante em que aquele meia-tijela" foi agredido, o "Xis", sem referir o nome de Rui Gomes da Silva, que se queixou de uma agressão à porta do restaurante, na Foz.

"Ainda hoje estão à espera dele para fazer os curativos no hospital", ironizou o presidente do F. C. Porto. "Foi barbaramente e cobardemente agredido, como disse o senhor presidente da Câmara de Paredes", com quem almoçou Rui Gomes da Silva, no mesmo restaurante em que estava o treinador do F. C. Porto André Villas-Boas, no dia em que o dirigente encarnado se queixa de uma agressão.

Segundo Pinto da Costa, o agredido não "apresentou queixa na polícia nem apareceu no hospital para fazer os curativos".

Sobre a queixa na PGR, Pinto da Costa disse "lamentar" que se ande a gastar dinheiro com este caso, "quando há tantos problemas".

Fonte oficial da PGR confirmou que "deu, efectivamente, entrada uma queixa relativa à matéria indagada" pela Agência Lusa, não referindo a identidade do autor da acção e a fundamentação, bem como se existem outros indiciados na denúncia.

A mesma fonte esclareceu que a queixa entregue na PGR contra Pinto da Costa "foi enviada à senhora directora do Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) do Porto".

Considera a PGR que o DIAP do Porto é "o departamento competente para a apreciação" da queixa e a quem caberá a decisão de arquivamento ou da instauração de um inquérito.

Confrontado com a denúncia, fonte do F. C. Porto reiterou à Agência Lusa que Pinto da Costa "não esteve presente" e que tal ficou "comprovado até pela UEFA".

O alegado jantar entre Pinto da Costa, Reinaldo Teles, administrador da SAD do clube, e o ex-árbitro António Garrido com o holandês Bjorn Kuipers, designado para arbitrar o F. C. Porto-Villarreal de 28 de Abril, constou de notícia publicada pelo jornal espanhol Marca a 4 de Maio.

A publicação diária desportiva chamou o tema à capa, sustentando que o alegado jantar ocorreu num restaurante em Matosinhos, após o jogo no Estádio do Dragão, que o F. C. Porto venceu por 5-1.

Em comunicado, o F. C. Porto desmentiu "em absoluto que alguns dos seus dirigentes ou funcionários tenham jantado com o árbitro Bjorn Kuipers, após o jogo com o Villarreal".

"Como acontece nestas circunstâncias, a Federação Portuguesa de Futebol (FPF) nomeou o senhor António Garrido para acompanhar a equipa de arbitragem, tendo mesmo levado os árbitros a jantar após o jogo", esclareceu o F. C. Porto, anunciando a intenção de processar o jornal e o autor da notícia.

Também a FPF confirmou à Agência Lusa as razões da presença de António Garrido no alegado jantar com o árbitro Bjorn Kuipers.

Nos regulamentos da UEFA, o acompanhamento dos clubes aos árbitros antes ou depois dos jogos é proibido e apenas permitido a representantes das federações e/ou elementos de comissões de arbitragem.

O F. C. Porto, que afastou o Villarreal depois perder por 2-1 no jogo da segunda "mão", garantiu a presença na final da Liga Europa em Dublin, tendo conquistado o troféu, depois de vencer o Sporting de Braga por 1-0.

Um golo do avançado colombiano Ramadel Falcão, aos 44 minutos, permitiu ao F. C. Porto arrecadar o seu quinto troféu europeu.