F. C. Porto

Pinto da Costa e a "aversão ao azul" de ministro: "Se calhar era ao céu que se referia"

Pinto da Costa e a "aversão ao azul" de ministro: "Se calhar era ao céu que se referia"

O presidente do F. C. Porto criticou, esta segunda-feira, alguns pontos do Código de Conduta imposto pela DGS para o regresso do futebol e comentou o episódio do ministro dos Negócios Estrangeiros, que disse ter "aversão ao azul".

Pinto da Costa esteve reunido com Marcelo Rebelo de Sousa, no Palácio de Belém, e no final do encontro com o Presidente da República abordou o parecer técnico da DGS, conhecido no domingo e criticado por alguns jogadores do plantel azul e branco. O líder dos dragões diz mesmo que se o parecer não "complicar", há condições "para o regresso da competição".

"Não compreendo como se quer proibir um profissional de futebol, que tem de ir diretamente para casa, não pode conviver com ninguém. Por que é que o profissional da restauração pode ir do restaurante para onde quiser? Isso é cortar a liberdade das pessoas. Mas os experts analisam. Todos os que ouvi da medicina acham que há coisas que não compreendem", começou por dizer, abordando as críticas de Danilo, Zé Luís e Soares.

"Tomaram uma posição individual. Não analisei tudo o que foi proposto mas sei que admitiram que tem de ter retificações. É apenas um ponto de partida. Eles ouvem quem querem. Mas fazer uma reunião sem ouvir os especialistas, como os médicos dos clubes. Acho estranho. Mas nada posso fazer", acrescentou.

O líder dos azuis e brancos abordou ainda o episódio de Augusto Santos Silva, Ministro dos Negócios Estrangeiros, que disse ter "aversão ao azul".

"Anulação deste campeonato? O que se jogou não pode ser anulado. Se se resolver não jogar, pode dar-se o campeonato por decreto a quem quiserem. O que tem sido feito nos outros campeonatos que acabam é com a classificação que está, não a que gostaríamos que fosse. Ainda hoje vimos um ministro a dizer que tinha aversão ao azul, a propósito de uma máscara. Se for esse ministro a decretar, o F. C. Porto não seria campeão. Se calhar era ao céu que se referia, não ao F. C. Porto. Se calhar gosta mais do inferno, que é vermelho. O que está a ser feito em França é que o primeiro foi campeão. Acha que deve ser o quarto ou quinto?", atirou.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG