F. C. Porto

Pinto da Costa: "Fim de ciclo? Estou aqui para lutar"

Pinto da Costa: "Fim de ciclo? Estou aqui para lutar"

No dia em que o F. C. Porto completa 129 anos de existência, o presidente do F. C. Porto deixou uma mensagem a eventuais candidatos às eleições do clube azul e branco, previstas para 2024, e também uma garantia: vai continuar a lutar.

O dia foi de festa para o universo azul e branco e para o presidente Pinto da Costa. O líder dos azuis e brancos foi distinguido, esta quarta-feira à noite, pela Associação de Futebol do Porto com o prémio "Ouro e Mérito" e aproveitou para deixar uma mensagem e uma garantia: a liderança está para durar, enquanto sentir o calor dos adeptos azuis e brancos.

"Não é preciso lembrar as campanhas que fazem contra mim, o que é bom, pois querem dizer que ainda posso ajudar o F. C. Porto. Mas enquanto sentir a confiança dos sócios do F. C. Porto, como tenho sentido em 15 atos eleitorais vencidos, continuarei no meu posto, continuarei a liderar o F. C. Porto. Quantos de vós já não ouviram falar de que estamos num fim de ciclo. Mas fim de ciclo de quê? De ganhar? As últimas três provas no futebol foram ganhas pelo F. C. Porto. Vamos em breve apresentar resultados positivos na SAD. Naturalmente, assumo os erros. Mas fim de ciclo? Estão enganados. Estou aqui para lutar pelo F. C. Porto", começou por dizer Pinto da Costa, recordando a contratação de Sérgio Conceição, no início de 2017/18

PUB

"Quando estivemos quatro anos sem ganhar, nem uma Taça da Liga, nem uma Taça de Portugal, foi aí que decidi contra a vontade de muitos, mas com o apoio da minha direção, contratar o Sérgio Conceição e foi aí que fiz as mudanças no departamento de futebol e começaram os oito títulos que conquistámos desde então", começou por dizer Pinto da Costa, na noite em que recebeu o prémio "Ouro e Mérito" da A.F. Porto.

"É muito difícil ser presidente durante 40 anos. Quando tomei posse, a 23 abril de 1982, se me dissessem que ia estar aqui hoje, a receber este troféu, o mínimo que lhe chamaria era louco. Mas o que é certo é que os objetivos e as obras precisam de uma parte de loucura. Eu iniciei essa loucura: teve momentos altos, momentos de dificuldade, mas não estou arrependido, porque por este país fora há muita gente que ama o F. C. Porto, gente que não encontra felicidade noutras áreas da vida. É por isso que me mantenho no meu lugar", acrescentou o líder dos dragões, recordando que ainda tem "mais um ano e meio de mandato".

"Mas parece que algumas pessoas não se lembram disso. Enquanto aqui estiver, continuarei a defender o F. C. Porto e a Associação de Futebol do Porto", disse, num evento que contou com a presença, entre outros, de Pedro Proença, presidente da Liga de Clubes, José Couceiro, vice-presidente da Federação Portuguesa de Futebol, e dos autarcas das cidades de Vila Nova de Gaia, Matosinhos e Gondomar, Eduardo Vítor Rodrigues, Luísa Salgueiro e Marco Martins, respetivamente.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG