Exclusivo

Pinto Lisboa: "Dou o corpo às balas e garanto que não vamos morrer"

Pinto Lisboa: "Dou o corpo às balas e garanto que não vamos morrer"

O presidente do Vitória de Guimarães dá uma grande entrevista ao JN cheia de revelações. Aborda a saída do diretor desportivo Carlos Freitas: "A minha relação com ele era e é muito boa" e garante que a empresa de Deco já desistiu do processo de insolvência da SAD. O dirigente sublinha ainda que "há discriminação policial contra os adeptos" vitorianos.

É numa sala com vista para o relvado do Estádio D. Afonso Henriques onde Miguel Pinto Lisboa, presidente do V. Guimarães, recebe o JN para uma entrevista cheia de pontos incontornáveis sobre o presente do clube. Numa conversa de uma hora, revela que Deco, ex-jogador do F. C. Porto, desistiu dos processos de insolvência contra a SAD e garante que o clube deixará de negociar com o luso-brasileiro. O dirigente explica, ainda, porque foram antecipadas receitas de 20 milhões de euros e adianta que há manifestações de interesse para a entrada de investidores na SAD. Mas não existem conversações.

A empresa de Deco reclama uma dívida de 1,3 milhões de euros. Qual a explicação para isso?
Posso adiantar que a empresa D20 Sports já desistiu do processo de execução e desistiu do processo de insolvência. Reconhecemos sempre os créditos de todos os intermediários, mesmo que sejam de administrações anteriores. Na véspera do pedido de insolvência, houve troca de minutas finais entre advogados e com acordos acertados. Mas fomos surpreendidos com o pedido de insolvência que, provavelmente, tinha outros fins de agitação social.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG