Andebol

Portugal viaja em autocarro atribuído à... Hungria

Portugal viaja em autocarro atribuído à... Hungria

A organização do Europeu de Andebol, talvez por não contar com a façanha de Portugal, obrigou a equipa das quinas a viajar para Estocolmo num autocarro atribuído à... Hungria. E os jogadores não perdoaram.

A seleção portuguesa não marcava presença numa fase final de um Europeu há 14 anos e o melhor resultado de sempre tinha sido um sétimo lugar, em 2000, na Croácia. E quando a sorte ditou que o grupo inicial da competição europeia incluía a poderosa França e a favorita Noruega, a probabilidade de sucesso das quinas na prova desceu gradualmente. Mas, ainda assim, Portugal superou as expectativas e fez um percurso de louvar: venceu os franceses, os bósnios e calou o mundo ao golear (35-25) a vice-campeã Suécia, na estreia da ronda principal.

Seria de esperar, por isso, que a própria organização do Europeu de Andebol não esperasse que o jogo desta quarta-feira com a Hungria fosse favas contadas para os húngaros. Mas não. E Portugal voltou a surpreender. A vitória (34-26) lusa foi tão clara quanto histórica: a equipa das quinas conseguiu a melhor qualificação de sempre num Europeu, garantiu um lugar no jogo que vai decidir um quinto e um sexto lugar, bem como no torneio pré-olímpico.

Um feito muito provavelmente inesperado para a organização do torneio já que, esta quinta-feira, Portugal apanhou um autocarro até Estocolmo, Suécia, onde vai disputar a Alemanha, em que no para-brisas se podia ler "Hungria", demonstrando que a organização já contava com uma vitória húngara antes, sequer, do apito inicial. Um momento caricato que os jogadores não perdoaram. "Quando pensam que vem a Hungria, mas vem Portugal para Estocolmo", escreveu Pedro Portela.

Mas o caricato momento não deve ter surpreendido a comitiva portuguesa. O selecionador Paulo Jorge Pereira revelou, depois do jogo com a Hungria, que a organização só atribuiu guia à equipa portuguesa durante os cinco dias referentes à fase de grupos, antevendo que Portugal não iria para além dessa fase inicial: "Contrataram-nos uma guia para cinco dias porque tínhamos calhado naquele grupo. E ela teve de pedir para prolongar para estar aqui. E agora vai ter de voltar a prolongar para ir para Estocolmo", revelou. Eis Portugal a causar estragos.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG