Desporto

Presidente do Paris Saint-Germain considera "injusto" o "fair-play" financeiro

Presidente do Paris Saint-Germain considera "injusto" o "fair-play" financeiro

O presidente do Paris Saint-Germain, Nasser Al-Khelaifi, afirmou, esta terça-feira, que o "fair-play" financeiro imposto pela UEFA é "uma medida injusta", apesar das sanções aplicadas não terem afetado o clube da liga francesa de futebol.

"Estou muito satisfeito com as contratações que fizemos - David Luiz e Aurier - e não precisamos de outros jogadores, porque investimos bastante nos anos anteriores", disse o milionário do Qatar, em entrevista à agência France Presse.

O dirigente revelou ter tentado contratar Di Maria e que só não conseguiu "por falta de acordo sobre o preço da transferência com o Real Madrid".

Porém, admitiu que o "fair-play" financeiro "dificulta, mas não bloqueia" a gestão do clube de Paris, considerando-o "injusto porque trava o aparecimento de novos investidores".

"Apenas protege os grandes clubes, obrigando os pequenos a permanecerem nessa dimensão. Se se impedem os investidores de aparecer no futebol, eles rumam à Fórmula 1 ou a outras atividades", disse Nasser Al-Khelaifi.

Para o presidente do PSG, "isso não é bom para o futebol", apesar de a sua direção "estar pronta a trabalhar com esses regulamentos", na esperança de que "mudem no próximo ano, dada a insatisfação de muitos clubes".

Relativamente aos 49,5 milhões de euros pagos aos Chelsea pela contratação do brasileiro David Luiz, que passou pelo Benfica, afirmou: "O treinador queria o jogador. Decidimos recrutá-lo ainda antes do Mundial, porque sabíamos que outro grande clube estava a tentar o mesmo".