Estrela - Benfica

Quinze minutos de vertigem e muitas poupanças pelo meio

Quinze minutos de vertigem e muitas poupanças pelo meio

Águia apostou nas segundas linhas a pensar no clássico com o F. C. Porto e fez três golos no arranque da segunda parte que quebraram a reação do Estrela. Chiquinho e Pedrinho em destaque

Um Benfica de segundas linhas goleou (0-4) o Estrela e selou a passagem aos quartos de final da Taça de Portugal. Um triunfo expressivo e sustentado, essencialmente, num arranque de segunda parte mortífero - três golos em 15 minutos. Até esse momento, as águias haviam dividido o jogo com os amadorenses num registo quase de serviços mínimos também devido à falta de entrosamento da maioria das peças. Chiquinho bisou, mas foi Pedrinho, endiabrado, a deixar os melhores pormenores.

Os estrelistas concederam uma boa imagem e ainda ameaçaram incomodar as águias, na primeira parte. No entanto, foram impotentes para parar a vertigem dos encarnados.

Jesus poupou toda a primeira linha para o clássico do Dragão e só Seferovic manteve o estatuto na estreia de Todibo. Os encarnados entraram com tudo, mas os amadorenses levaram apenas cinco minutos a perderem o respeito às águias. Adiantaram linhas, pressionaram e incutiram velocidade e objetividade às fugas pela ala direita. Sérgio Conceição, filho do técnico do F. C. Porto, Murillo e Paollo Madeira lançaram um alerta e a clara mensagem de que a equipa estava ali para discutir a eliminatória.

Helton Leite foi o primeiro dos guarda-redes a intervir num duelo com pouco espaço no meio campo. Pedrinho e Seferovic falharam a oportunidade de conceder vantagem aos encarnados. As indicações de Jesus devem ter aquecido as águias que voltaram a aumentar a intensidade, só que desta vez ampliaram a vantagem por Seferovic. Os amadorenses ainda reagiram e reabriram a discussão, mas o VAR descortinou, e bem, o fora de jogo. Chiquinho a selou a discussão com um bis Waldschmidt carimbou a goleada.

Mais

PUB

Chiquinho bisou, mas Pedrinho foi o principal desequilibrador das águias, além de carimbar duas assistencias, à semelhança de Diogo Gonçalves

Menos

Jardel sentiu enormes dificuldades para parar Murillo, Chapi e complicou algumas ações para irritação da Jesus. Seferovic marcou, mas esteve muito perdulário

Árbitro

Deixou passar um toque de Murillo em Diogo Gonçalves dentro da área, pois a ação não motivou a queda. E recebeu o auxilio do VAR para a anular o lance de Laton

Veja o resumo do jogo:

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG