Apresentação

Rádio Popular-Boavista muda paradigma para a nova época de ciclismo

Rádio Popular-Boavista muda paradigma para a nova época de ciclismo

Formação portuense quis complementar a vocação para a montanha com reforços multifacetados, como Tiago Machado e Daniel Freitas, que possam dar soluções nos contrarrelógios e sprints. Axadrezados cumprem a primeira concentração da época e não escondem o desalento pela indefinição do calendário nacional devido à pandemia da covid-19.

Uma equipa mais eclética e preparada para se adaptar às circunstâncias de uma época ainda recheada de incertezas, é o que preparou a Rádio Popular-Boavista para 2021, apostando num grupo que mantém uma base jovem, mas complementado com corredores de grande experiência como é o caso do reforço Tiago Machado.

O ciclista famalicense, ex-Efapel, que regressa à formação onde se notabilizou no ciclismo nacional antes do salto para os grandes palcos mundiais da modalidade, é um dos dois reforços das panteras para este ano, juntamente com Daniel Freitas (ex-Miranda-Mortágua).

"Muito do que alcancei na carreira devo ao que aprendi no Boavista, e voltar a uma casa que bem conheço, para uma provável parte final da carreira, é uma grande satisfação", disse ao JN Tiago Machado.

Para este desafio, o experiente ciclista quer "trabalhar sem pressão em prol da equipa", e mesmo reconhecendo que é sempre bom "haver expectativas" sobre a sua prestação, espera que tudo "aconteça com naturalidade".

"Sei qual será o meu papel na equipa, e que não me irão exigir mais que contribuir para sermos um bloco forte e unido. Mesmo não tendo a regularidade do passado, ainda tenho muitas qualidades", rematou Tiago Machado.

Ao lado do corredor famalicense, estará João Benta, outros dos experientes ciclistas dos axadrezados, que notou que a formação deste ano "dá respostas a mais situações das corridas".

PUB

"Mantemo-nos fortes para as etapas de montanha, e com a chegada do Tiago Machado e do Daniel Freitas temos outras garantias e soluções. Estamos mais completos", disse o corredor de Esposende.

João Benta não escondeu, no entanto, o desalento pela indefinição da época, devido às contingências da pandemia da covid-19, considerando que "apesar da Volta a Portugal ser o principal objeto, não pode ser encarado como único".

A mesma opinião partilhou ao JN José Santos, diretor desportivo da Rádio Popular-Boavista, formação que, com diversas denominações, está na estrada desde 1984, e que, mesmo em tempo de pandemia, manteve a confiança dos patrocinadores.

"Este ano quisemos ser mais multifacetados e com uma nova filosofia. Conservamos atletas importantes na montanha, mas contratamos corredores que nos dão mais possibilidade de discutirmos contrarrelógios e chegadas ao sprint. Com incerteza do calendário temos de estar preparados para todo o tipo de corridas", disse ao JN José Santos.

O diretor desportivo lamentou que "em quase toda a Europa já esteja a haver provas para profissionais e até para amadores, e que em Portugal se continue a colocar problemas para o ciclismo acontecer".

"Estamos desejosos em voltar para a estrada e acredito que os organizadores das provas nacionais mantenham o interesse em fazer as corridas. A Volta a Portugal será a mais importante, mas, por exemplo, as provas organizadas pelo JN, pelo seu mediatismo, serão uma mais-valia para o nosso ciclismo. Espero que venham a acontecer", confessou o responsável.

Em cima da mesa ainda está a possibilidade da formação boavisteira correr a Volta às Astúrias, em Espanha, mas provas nacionais terão sempre a prioridade da equipa.

Composição Rádio Popular-Boavista para 2021:

João Benta (POR, 33 anos), Tiago Machado (POR, 35), Luís Fernandes (POR, 33), Alberto Gallego (ESP, 30), Hugo Nunes (POR, 24), Gonçalo Carvalho (POR, 23), Daniel Freitas (POR, 29), Afonso Silva (POR, 20), Vinicio Rodrigues (POR, 20) e Pedro Silva (POR, 19).

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG