Premium

Regulamento interno dos clubes proíbe jogadores de dormir fora de casa

Regulamento interno dos clubes proíbe jogadores de dormir fora de casa

O castigo a quatro jogadores do F. C. Porto colocou os regulamentos disciplinares dos clubes na ordem do dia. As proibições dos clubes aos atletas chegam a impedir viagens e noites fora de casa, mesmo cumprindo as horas de sono.

São documentos mais polémicos do que parece, podendo, no limite, chocar com as leis do trabalho. Os futebolistas concordam com as limitações quando assinam os contratos e os documentos estão sempre em atualização, como acontece agora, apurou o JN, uma vez que há clubes que se preparam para acrescentar limites às regras de utilização das redes sociais, na sequência do impacto provocado pelos vídeos da festa de aniversário da mulher do portista Uribe, que resultou num castigo para o médio e outros três companheiros, Marchesín, Luis Díaz e Saravia.

O documento que reúne as regras é entregue aos futebolistas no dia da assinatura, à partida para o estágio de pré-temporada ou, se for caso disso, quando é alterado pelo treinador ou pela Direção. Em alguns dos regulamentos, o conteúdo mexe diretamente com o lado pessoal do atleta, como é caso da obrigatoriedade de pernoitar na respetiva residência e de comunicar ao clube uma eventual mudança de morada. Trata-se de uma determinação que, durante a época desportiva, só pode ser alterada em dias de estágio ou mediante a comunicação prévia. A propósito do episódio que envolveu os portistas, o JN procurou perceber o conteúdo do regulamento interno de diversos clubes portugueses. Alguns vão ser atualizados, visto que ainda não previam regras para as redes sociais. Outro caso curioso que encontrámos, diz respeito às regras impostas nas deslocações. Algumas instituições proíbem os jogadores de viajar para lá de um raio de 50 quilómetros da sua residência, sem autorização prévia dos dirigentes. Ainda no que toca a deslocações, note-se que os futebolistas também precisam de consentimento se pretenderem viajar, após os jogos fora, numa viatura que não seja a do clube.