Nacional - F. C. Porto

Resgate na ilha força dragão a horas extra

Resgate na ilha força dragão a horas extra

F. C. Porto avança para os quartos de final, mas passa por um susto antes do clássico. Evanilson entra e marca. Nacional cai de pé com 10 em campo.

Jogo emocionante na "Pérola do Atlântico" com o Nacional a obrigar o F. C. Porto a jogar todos os trunfos para resgatar uma eliminatória que, a determinada altura, esteve comprometida. O F. C. Porto acaba por vencer, 2-4, no prolongamento, mas o resultado esconde as dificuldades criadas à equipa de Sérgio Conceição, que, verdade seja dita, fez um jogo sério, sem pensar no clássico com o Benfica, mas que foi apanhada em contrapé pela eficácia quase máxima de um Nacional guerreiro, de qualidade, com marca de treinador, o jovem Luís Freire.

Díaz, com um excelente golo, abriu as hostes, mas, na resposta, o Nacional fez o 1-1, com Róchez a rodar sobre Pepe e a não dar chances a Diogo Costa.

Até ao intervalo, o F. C. Porto ameaçou o segundo golo, através das arrancadas de Nanu, das diabruras de Díaz e do inconformismo de Taremi, mas Piscitelli esteve sempre atento.

O recomeço volta a mostrar um F. C. Porto dominador e um Nacional venenoso, a aproveitar o espaço no lado esquerdo para dar a volta, por Riascos, que fuzilou Diogo Costa. Logo a seguir, a expulsão de Rui Correia, que já tinha um cartão amarelo, mudou por completo o cariz do jogo.

O F. C. Porto instalou-se no último reduto, Conceição lançou a artilharia e o golo salvador surgiu a um minuto dos 90, num momento de felicidade: Evanilson marcou na primeira vez que tocou na bola.

PUB

No prolongamento, aí sim, imperou a lei do mais forte, com Sérgio Oliveira a fazer o 2-3, num bom remate à entrada da área, e Taremi a colocar a cereja no topo do bolo. Num jogo frenético, o Nacional ainda falhou um penálti, por Vincent, aos 119 minutos.

Mais

Evanilson salvou os dragões. Bom jogo de Díaz e Taremi. Piscitelli brilhou. Nota positiva para Rúben Freitas e João Vigário. Riascos poderoso.

Menos

Toni Martínez deu-se à marcação e passou algo despercebido. Sarr deu demasiado espaço e fica nos golos. Quebra física do Nacional.

Árbitro

A expulsão de Rui Correia é polémica. Parece haver contacto com Toni, mas aparentemente legal. Penálti bem assinalado por mão de Loum.

Veja o resumo do jogo:

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG