Desporto

Ronaldo soma 43 golos na seleção, mais dois do que Eusébio

Ronaldo soma 43 golos na seleção, mais dois do que Eusébio

Com o seu primeiro "hat-trick" na equipa nacional, frente à Irlanda do Norte, Cristiano Ronaldo tornou-se, esta sexta-feira, o segundo melhor marcador da história da seleção portuguesa de futebol, superando por dois golos os 41 do lendário Eusébio.

Com 43 golos marcados em 106 jogos disputados pela "equipa das quinas", o que faz do avançado do Real Madrid o terceiro jogador com mais internacionalizações por Portugal, Ronaldo está a caminho de bater todos os recordes na seleção, apesar de ainda lhe faltarem quatro golos para igualar o registo de Pauleta, o maior goleador luso, com 47 remates certeiros.

Se o recorde de Pauleta parece condenado a curto/médio prazo, o registo do "rei" Eusébio caiu, esta sexta-feira, em Belfast, onde Portugal derrotou por 4-2 a Irlanda do Norte, adversário frente ao qual o "pantera negra" marcou o seu último golo pela seleção, a 28 de março de 1973, no empate 1-1.

Pouco tempo depois de ter completado uma década ao serviço da seleção portuguesa, o avançado, que, aos 27 anos, já se tinha tornado o mais jovem a atingir as 100 internacionalizações, procura sobrepor-se à maior figura do futebol nacional, apesar de o Eusébio ter uma média claramente superior, pois necessitou de apenas 64 partidas para atingir a marca de 41 golos (0,64 por jogo contra 0,40).

Ronaldo está a apenas quatro encontros de igualar o antigo defesa Fernando Couto, segundo mais internacional de sempre, com 110 presenças pela equipa lusa, e mesmo o recorde de 127 internacionalizações de Luís Figo parece ser uma questão de tempo - os dois jogadores já eram "trintões" quando atingiram a marca dos 100 jogos.

Cristiano Ronaldo Santos Aveiro nasceu a 5 de fevereiro de 1985, no Funchal. Formado nas escolas do Sporting, ganhou "asas" no Manchester United, tendo conquistado uma Liga dos Campeões e sido eleito melhor futebolista mundial em 2008, antes de se mudar para o Real Madrid, o que aumentou a rivalidade com Lionel Messi pelo estatuto de melhor do Mundo, sempre favorável ao argentino.

O reinício do particular com o Cazaquistão (vitória por 1-0), a 20 de agosto de 2003, em Chaves, foi premonitório. Com apenas 18 anos, Ronaldo estreou-se na seleção portuguesa pela mão do selecionador Luiz Felipe Scolari, substituindo Figo após o intervalo, e a titularidade surgiu no jogo seguinte, com a Albânia (5-3).

O jovem prodígio regressou ao banco de suplentes, mas isso não o impediu de se estrear a marcar, à oitava partida com a camisola das quinas, em cima dos 90 minutos, na derrota por 2-1 com a Grécia, no arranque do agridoce Euro2004, organizado em Portugal.

O treinador brasileiro ainda "resistiu" a colocá-lo na equipa inicial no encontro seguinte, com a Rússia (2-0), mas apelou à magia de Ronaldo na terceira e decisiva partida da primeira fase, com a Espanha, que a seleção nacional ganhou por 1-0, apurando-se para os quartos-de-final.

O avançado foi titular nos três jogos até à final, marcando mais um golo pelo caminho, nas "meias", frente à Holanda (2-1), mas foi incapaz de evitar uma das derrotas mais amargas do futebol português, de novo com a Grécia, por 1-0, num Estádio da Luz carregado de esperança pela conquista do primeiro grande título internacional. Foi o 13.º jogo de Ronaldo por Portugal.

A seleção holandesa é, aliás, a maior vítima da eficácia do avançado, que marcou por quatro vezes à "laranja mecânica", a última das quais há três semanas, no empate 1-1 em Faro, em jogo de preparação para o confronto de Belfast.

Os outros dois tentos marcados aos holandeses surgiram no Euro2012, o mais recente dos sete "bis" ao serviço da equipa nacional de Ronaldo, que lhes começou a "tomar o gosto" na goleada por 7-1 à Rússia, em 2004.

Com três golos - marcou também à República Checa, nas meias-finais -, o Europeu de 2012 superou os dois tentos do Euro2004 e foi o mais produtivo do avançado, que tem brilhado a meia-luz nas grandes competições, ficando-se por um único remate certeiro nos Mundiais de 2006 e 2010 e no Europeu de 2008.