Futsal

Ruben Pinho confessou que não sofreu penálti e viu um cartão branco

Ruben Pinho confessou que não sofreu penálti e viu um cartão branco

Honestidade do jogador do Saavedra Guedes levou o árbitro a reverter a decisão no encontro com o ABC de Nelas. "Foi uma decisão à imagem do clube", realça.

A vertiginosidade de um jogo de futsal, disputado em ritmo acelerado e com duelos individuais consecutivos, torna a tarefa dos árbitros extremamente exigente. Não fosse a honestidade de Ruben Pinho, que confessou não ter sofrido grande penalidade numa jogada de difícil análise, o jogo entre o ABC de Nelas e o Saavedra Guedes, da 2.ª Divisão Nacional de futsal, ficaria marcado por uma decisão errada, com possível influência no resultado.

Com o resultado em 1-1, o universal do Saavedra Guedes caiu no interior da área adversária após um lance dividido com o guarda-redes contrário, Nilton. "Quando ele saiu para se fazer ao lance, percebi que dava para me aproveitar do lance", conta Ruben Pinho.

O guardião do ABC de Nelas magoou-se na jogada e, enquanto recebia assistência, Ruben desabafou ao seu treinador, Nelson Costa, que não tinha sofrido penálti. "Ele disse-me para dizer que não era penálti e decidimos avisar os árbitros", que lhe retribuíram o gesto com um cartão branco, que distingue gestos de grande fair-play.

O Saavedra Guedes acabaria por perder o encontro por 4-2, mas isso pouco importa para o caso, garante Ruben. "Não me arrependo, porque foi uma decisão à imagem do clube, que sempre mostrou valores e princípios no futsal. Foi a maneira justa de encarar a situação", justifica.

PUB

Para lá do cartão branco, o universal do Saavedra Guedes foi ovacionado pelo público presente no pavilhão e viu a sua atitude reconhecida por colegas de equipa e pelos adversários. "Recebi muitas mensagens. Todas foram boas, a darem os parabéns e a congratular a decisão. É sempre bom".

Técnico de manutenção de profissão, o jovem, de 22 anos, recebeu o primeiro cartão branco da carreira. Na ronda anterior, viu Pedro Sousa, pivot do Dínamo Sanjoanense, vê-lo por abdicar de marcar um golo devido à lesão do guarda-redes do Saavedra Guedes, Flávio Tavares. "Isso não me passou pela cabeça quando admiti que não foi penálti. Foi o momento em si, decidi que era o melhor. No clube, qualquer um faria isso", acredita.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG