Eleições

Rui Costa: "Benfica não foi acusado. Vieira deixou o clube por questões pessoais"

Rui Costa: "Benfica não foi acusado. Vieira deixou o clube por questões pessoais"

Rui Costa e Francisco Mourão Benitez, candidatos às eleições para os órgãos sociais do Benfica, que se realizam neste sábado, participaram esta quinta-feira à noite num debate promovido pela BTV, no Museu Cosme Damião.

"Entramos no debate a falar já do passado, há processos que estão em curso e ninguém pode fugir deles. A partir de dia 9, esteja eu ou o senhor Benitez vamos ter de lidar com eles. Mas até hoje o Benfica não foi acusado de nada. O Filipe Vieira deixou o clube por questões pessoais devido aos processos que estava envolvido. Em relação ao Domingos Soares Oliveira, há presunção de inocência e tem a oportunidade de se defender", começou por salientar o atual presidente das águias, após o outro candidato ter iniciado o debate com um ataque à gestão de Luís Filipe Vieira.

Rui Costa avançou que pretende voltar a aproximar os adeptos do clube. E explicou: "Aquilo que quero é que daqui para a frente acabem os processos e as dúvidas no Benfica. Para isso é preciso muita coisa, há que fazer mais manobras para toda a gente estar clarificada sobre o que é a vida do clube, temos variadíssimas medidas para fazer, desde logo é pertinente que as pessoas nos ouçam sobre o que foi feito ou deixou de ser feito em cada janela do mercado. É uma pretensão minha fazer isso no dia 1 de setembro, mas não o fiz para não parecer campanha eleitoral, pois nesse dia foram anunciadas as eleições".

"Os nossos adeptos têm de ter plena consciência de todas as manobras que acontecem no Benfica e isso vai envolver a proximidade com os sócios. Em relação ao que está para trás, até o Benfica não ser acusado de alguma coisa não me vou manifestar sobre isso", frisou.

O antigo jogador e agora candidato, anotou que está a ser feita uma "auditoria forense ao clube. "Já está a ser feita aos processos em curso, mas o Benfica é auditado e estou disponível para que sejam feitas. Quero proximidade com os sócios", realçou, acrescentando que "anualmente a SAD é auditada", mostrando-se recetivo a esclarecer os sócios. "Quero que as pessoas venham assistir aos seus jogos orgulhosos do clube que têm dentro e fora de campo", avançou.

E prosseguiu: "A auditoria foi anunciada por mim. A auditoria externa é para ser feita, não é para esconder o resultado aos sócios nem a ninguém, é para ser mostrada a todos. Será concluída em finais de outubro. E a auditoria não tem a ver com o Benfica, mas com processos externos ao clube e que envolvem apenas Luís Filipe Vieira. Esperemos que não haja acusações, mas a acontecer não envolvem o Benfica".

"Estes problemas têm de ser resolvidos. Quero que após isto não haja mais problemas com o nome do Benfica e não vermos mais os títulos que vimos em agosto", completou sobre o tema.

PUB

Sobre o perfil da administração da SAD, Rui Costa começou por atacar a de Benitez. "Há muita gente a perceber de futebol na Lista B, já vi, mas futebol é muito restrito, parece mais uma comissão do que uma estrutura para o futebol. Ouvi falar de um diretor desportivo, mas não ouvi falar de diretor geral, não sei se conhecem a diferença, ouvi falar de administradores só para o futebol, haverá depois, certamente, alguém que vá gerir isso tudo", apontou.

"Da nossa parte, esta administração do Benfica tirou o clube da situação em que estava há uns bons anos, devolveu ao Benfica a potência desportiva e financeira que é hoje, é referência mundial em termos de gestão. Estarei na SAD enquanto responsável pelo futebol. Terei uma estrutura responsável perto da equipa, que tem dado os seus frutos este ano com o trabalho que foi desenvolvido. Temos as coisas bem delineadas. Não é verdade que não temos uma estratégia delineada para o Benfica, é completamente falso. Não é verdade porque senão não se ganhavam cinco campeonatos em oito anos. Parece agora que tudo o que foi feito foi malfeito. Mas há coisas a melhorar, evidentemente, e vou ter um papel fundamental ao impor as minhas ideais para o que acho importante para o projeto do Benfica, até porque haverá uma série de regras que irão mudar no futebol europeu em relação às transferências e empréstimos e é preciso que tem esteja à frente do futebol tenha conhecimentos do que está a dizer", assinalou.

Rui Costa deixou uma garantia: "O clube será sempre detentor da SAD, a estratégia do clube passará sempre pela direção do clube, com um organigrama que tem feito o que tem feito ao longo dos anos para devolver ao Benfica o que perdeu há muitos anos, tem uma comissão executiva que executa as ideias do clube. Seja feito o que for, o clube será sempre o detentor da SAD. Essa é uma premissa minha".

Rui Costa abordou também o percurso na SAD benfiquista. "Dos 13 anos que estou à frente do clube, estive 11 com a equipa principal e conquistámos seis títulos. Não vou dizer que têm a minha responsabilidade, mas também têm o meu dedo e não só aqueles que o Benfica perdeu. Em relação a não ter estratégia para o clube, não sei quantas décadas tem de recuar para ter esses campeonatos na mesma década", frisou

E desafiou o adversário das eleições a nomear quem o acompanhará na SAD caso vença. "Gostava de saber quem são as suas pessoas que vão estar na SAD na sua lista. As pessoas vão passar um cheque em branco? Já sabemos que são benfiquistas, não sabemos quem são. Está a pedir às pessoas para lhe passarem um cheque em branco", questionou o atual dirigente máximo das águias, para atirar: " Eu nunca disse que ia gerir o futebol sozinho. A minha vida sempre foi o futebol, sempre trabalhei em grupo, terei uma equipa que me vai auxiliar naquilo que serão os destinos do Benfica seja para o futebol, para as modalidades ou qualquer outra área. Não farei nada sozinho. O clube não é meu, a empresa não é minha. Estou a escolher as pessoas que me possam auxiliar em cada área. Mas na administração da SAD há uma pessoa chamada Rui Costa que é ligado ao futebol. Não significa que os outros não saibam de futebol. A SAD também gere a área financeira, não podem ser só elementos do futebol. Não vale a pena falar de coisas que não existem. Não vale a pena falar de coisas que são um banho de nada".

No que ao regulamento eleitoral diz respeito, Rui Costa salientou que colaborou com tudo o que foi solicitado. "Vai haver eleições daqui a dois dias, umas eleições como já não existiam há muitos anos. Não foi só o Movimento Servir o Benfica que teve mão no processo. Aceitei aquilo que fosse melhor para o clube para que a partir de dia 9 não se passe o que se passou nas últimas eleições. Colaborei com tudo com plena consciência daquilo que é isto que se deve fazer. Se estamos aqui a falar, não é só por causa do movimento. É porque eu também concordei".

E frisou: "Vai haver eleições de uma forma democrática com o regulamento eleitoral que foi feito por ambas as partes e consensual. Que as eleições decorram à Benfica, com grande afluência e benfiquismo. Foram abertas todas as portas para que não haja dúvidas nestas eleições. Que haja uma grande afluência e uma demonstração de grande benfiquismo".

Mas não é só para o futebol que Rui Costa tem planos. No projeto que tem para o clube, a remodelação das Casas do Benfica também é uma prioridade. "São o braço armado, as embaixadas, têm papel fundamental para além de Lisboa, têm tido momentos de dificuldade, como qualquer empresa tem tido, é preciso alimentar para elas crescerem, para angariarem mais adeptos. Queremos remodelar as casas, para serem 2.0, já com dinâmica diferente. Têm de fazer parte da vida do clube, temos de estar perto delas, é ponto assente", referiu.

Já sobre o polémico "cartão do adepto", o antigo jogador afirmou estar "há dois meses a combatê-lo". "Temos tido reuniões consecutivas, está a falar sem saber, é demagogia, temos estado muito ativos. Sucessivas reuniões com os nossos sócios, com APCVD, amanhã [sexta-feira] deve ficar carimbado a redução de 50% das áreas que estão fechadas. Dia 21 serão lançados os 'red passes' para defender os sócios que os têm. O Cartão do Adepto é aberração, fiz muito sobre isso. O trabalho está a ser feito e bem feito dentro de lei do Estado, que não podemos alterar", esclareceu.

Sobre a estratégia traçada para o futebol, Rui Costa anotou que é similar ao que já foi feito no mercado de verão. "Contratamos sete jogadores, que estão a ser e vão ser influentes. A lei do mercado foi aquilo que foi por questões de pandemia. Tentamos que as aquisições sejam oportunas, foi o que procuramos com a contratação dos dois médios, que era o mais premente para o nosso treinador. Fomos à busca dos jogadores que nos faltavam para completar o plantel para colocar a equipa no patamar em que está hoje".

E para o sucesso das contratações feitas, o atual presidente realçou o papel da prospeção do clube. "É o scouting que faz estas análises para depois escolher. O scouting analisa, não contrata. Quem contrata é a estrutura em conjunto com o treinador. Tem tido um papel preponderante, com um contributo enorme. No passado era a questão dos 100 milhões, mas comprámos jogadores internacionais das variadíssimas seleções, avaliados pelo scouting. Antes de falar de futebol é preciso perceber as dinâmicas. Não posso contratar um jogador de quem goste muito mas que não sirva ao treinador. Não posso contratar jogadores que o treinador quer mas não sirvam os interesses do clube. Há uma simbiose para que as contratações sejam efetivas. Queremos um plantel curto, com as transferências necessárias para fazer face aos interesses do clube", explicou.

E continuou: "Não posso contratar um jogador que goste, mas que o treinador não o meta a jogar. Entra o Cadiz como entra o Jovic. Também não jogou no Benfica e agora está no Real Madrid. São 527 milhões para a rua? Diga-me em quantos jogadores perdemos valor. Há aquisições que foram falhadas, mas faz parte. Há adaptações que não são bem feitas. Outros tremem com a camisola do Benfica. Há um ano, o Morato era um jogador fora da caixa e agora estamos todos satisfeitos. É preciso pensar por que as coisas são feitas em vez de mandar só para o ar. Temos de ir ao encontro do treinador e do que queremos com o treinador. São coisas muito simples".

No final deste mandato, Rui Costa quer as águias a liderar o futebol nacional. "Há dois anos que não somos campeões, há uma estratégia bem delineada para o futebol. Queremos um plantel curto, homogéneo, usando também a nossa formação, de maneira a que seja um plantel que nos leve a pensar que vamos ser líderes a nível nacional e que vamos ter um papel importante em termos europeus, como o que está acontecer. Em relação ao que são entidades, o Benfica tem de liderar em tudo, no futebol, nas instituições, no papel social. Faz parte da nossa essência e do nosso ADN. Há duas premissas: a proximidade com os sócios, unir outra vez o clube, e ganhar", apontou.

Sobre a relação com Sporting e F. C. Porto, Rui Costa afirmou que "serão sempre os rivais". "Para a indústria do futebol, o que tiver de ser feito em conjunto com todas as equipas da Liga Portugal será feito. Em termos de relações pessoais vão-se manter as que existem hoje: de respeito, mas sobretudo em defesa do clube", completou.

O aproveitamento dos jogadores da formação das águias também foi debatida e até a venda de João Félix veio à baila. "Em relação ao Benfica Campus tem de se olhar para a equipa principal. Quando à formação, tem-se feito um trabalho de excelência, tem nos 18 clubes da Liga jogadores em todos eles. Tem formado jogadores para todos os clubes. É evidente que queremos que seja uma porta de entrada para a equipa principal. É fácil dizer que os jogadores saem e não ficam no Benfica para nos dar títulos, mas temos muitos campeões nacionais saídos da formação. isto vai muito além do dinheiro que entra no clube. Tem muito a ver com as decisões dos próprios jogadores, tem muito a ver com o mercado nacional que não permite aos jogadores portugueses ficarem muito tempo em Portugal. Mais que o dinheiro, tem a ver com a projeção das ligas, são eles que não querem cá ficar e não temos forma de ficarem cá mais tempo, como o Rúben Dias, por exemplo, que se manteve cá três anos já com o mercado muito alto", apontou Rui Costa.

O atual presidente acusou Francisco Benitez de "nunca ter lidado com jogadores". "Lido diariamente com eles e sei o que estou a dizer. Em Portugal não conseguimos oferecer em termos financeiros e de estatuto o que existe nas 'big five', nas cinco ligas principais. Não é finanças, é estatuto, eles querem dar o salto e nós temos de dar condições para eles crescerem no Benfica. Isso envolve jogadores, empresários. E falo porque falo diariamente com eles", frisou.

O candidato adversário acusou a direção das águias de "andaram a ver quando vendiam Félix" e a resposta de Rui Costa foi corrosiva: "Mas acredita que para vender um Félix temos de bater à porta de alguém? Isso é o pior exemplo de todos, 126 milhões, acha que algum clube evitava? Fomos bater à porta para nos darem 126 milhões? Por amor de Deus, ó senhor Benitez".

O projeto para as modalidades foi outro dos temas abordados, com Rui Costa a salientar que "tudo que seja manto sagrado num campo ou numa quadra vale o mesmo". E passou a explicar: "O que dizemos para o futebol vale para as modalidades. O voleibol tem sido a modalidade mais vencedora, mas iniciámos um projeto em que somos o único clube em Portugal em que temos dez equipas a competir, cinco no masculino e no feminino, nas modalidades de pavilhão. É evidente que sendo uma equipa do Benfica é para ganhar. Foi feito um mercado de aproximação a essas equipas. Está bem estipulado aquilo que queremos na próxima janela de mercado e o que podemos orçamentar. Vai haver um acréscimo de qualidade e orçamento para darmos qualidade às equipas. No feminino, temos obtido resultados fantásticos. É um projeto para crescer cada vez mais. Vamos querer ganhar nas dez equipas das modalidades".

O dirigente deixou também elogios ao futebol feminino. "Contabilizamos dois anos completos e um que se inicia agora, excetuando o ano da covid-19, só há a elogiar o trabalho desenvolvido. Subimos da 2.ª Divisão, fomos campeões na 1.ª Divisão, entramos na Champions, criámos categorias das sub-9 às sub-13, temos equipa B. É um projeto fantástico, com um desenvolvimento tremendo", enalteceu, avançando ter um plano para desenvolver mais o futebol feminino: "Temos de criar infraestruturas para albergar as equipas femininas ou com alargamento do Benfica Campus ou com construção de uma cidade desportiva. É um projeto em mente para o bem do clube face ao crescimento nas modalidades e futebol feminino a criação de um polo desportivo para as equipas não jogarem noutros campos e alargamento do Benfica Campus para que as equipas femininas possam fazer parte do Seixal até estarem estáveis e passarem para a SAD".

Durante o debate o atual dirigente anunciou que serão feitas obras na Luz. "Queremos dar mais imponência ao estádio por fora e criar uma simbiose entre o fora e o dentro. As ações dentro do estádio têm a ver com as naturais remodelações pelos anos que o estádio tem para modernizar. Há já um desenho para o exterior do pavilhão entre a área comercial e os pavilhões, parece que não há distinção de nada. Estamos a criar um desenho para o exterior dos pavilhões e queremos mais dinâmica à volta dos pavilhões. O Benfica não precisa de carros estacionados para trazer gente ao estádio. Precisa que as pessoas venham ao estádio para vir ao estádio. É importante criar atividades utilizando o museu, o que queremos fazer à volta dos pavilhões para dar vida ao clube", enunciou.

A finalizar o debate, Rui Costa acusou o adversário de ter nado poucas informações sobre a estratégia para o clube. "Foi um rolo de nada, hoje [quinta-feira], não se sabe os diretores, não se sabe nada, fala-se. A mim conhecem, sabem do meu benfiquismo, não sou de aparecer neste momento só porque sim, servi o clube desde oito anos de idade, com interrupção, mas nunca deixei de seguir, e fui quase embaixador lá fora. Quem me conhece sabe que jamais aceitaria o cargo se tivesse rabos de palha e necessidade de oportunismo, o que prometo e garanto é trabalho, pondo o clube a frente de tudo e todos, empenho, dedicação e responsabilidade. Serão 24 sobre 24 horas a trabalhar para o nosso clube, com estratégia, objetivos, conheço a casa por dentro e por fora, tudo darei de mim, porque é uma grande honra, apesar de responsabilidade, temos que assumir de frente. Em três meses o que fiz deixa claro o que pretendo para este clube. Peço que haja uma grande votação e definam entre uma pessoa que deu sempre tudo ao clube e outra que apareceu nestes atos eleitorais", concluiu.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG