Rui Costa

"Jamais poderia prejudicar o Benfica em questões financeiras ou ilegais"

"Jamais poderia prejudicar o Benfica em questões financeiras ou ilegais"

Líder das águias falou à BTV sobre a operação Cartão Vermelho, a entrada de um novo administrador e a nova SAD do Benfica.

Operação Cartão Vermelho: "Parece-me extremamente exagerada esta feira mediática à volta deste processo, desde logo pelas escutas que saíram cá para fora e que muitas delas nada têm a ver com o processo em si. O que posso adiantar é que enquanto presidente do Benfica, e acho que posso falar em nome de todos os benfiquistas, é que este processo se resolva o mais rapidamente possível. Que sejam apuradas todas as consequências e resultados, até para que nós possamos olhar para a frente e não estar sempre a olhar para trás. Não me parece correto que tantas escutas estejam cá fora. Não sei quem beneficia com isso, a menos que seja para encher páginas de jornais ou programas televisivos. Sei que o Benfica está a ser tremendamente prejudicado com estas notícias e acima de tudo, que é a minha preocupação enquanto presidente do Benfica, é olhar para o futuro do Benfica mas este momento ser notícia todos os dias o que está para trás. O apelo que faço é que tudo seja mais célere possível para que o Benfica e os nossos adeptos possam de uma vez por toda olhar para a frente."

Envolvimento pessoal: "Em primeiro lugar, ainda ninguém foi acusado de nada. Eu estive, estou e estarei sempre de consciência tranquila em relação a este processo. Nunca ninguém viu o meu nome envolvido em nada que é relacionado com a justiça. Custa-me ter de recordar várias vezes, que é algo que não gosto de fazer porque tudo o que fiz pelo Benfica foi pelo amor que tenho por este clube, o Benfica não me deve nada. Todas as minhas decisões ao longo da vida foram feitas por mim. Custa-me sempre que este processo vem à baila ter de estar a explicar todo o meu passado neste clube, que é conhecido. Não falo do passado recente, desde os nove anos. Percebo que muita gente não se lembre de 1993, muitos não era nascida e não se lembram do verão quente. Nessa altura ainda morava numa cave na Damaia. Prescindir da proposta que abdiquei para servir o Benfica, aos valores que tinha na altura, quando vinha no autocarro 34 para o Estádio da Luz para treinar e já começava a ser titular do Benfica, não seria depois de 12 anos em Itália que me iria prejudicar com isso. São muitos os episódios que tenho relacionados com o Benfica que não permitem que o meu nome venha à baila numa coisa do género. É sabido da minha saída para Itália porque é que foi para aquele clube e não para outro, do meu regresso para Portugal e que contrato é que deixei lá fora, é sabido que ainda tinha uma carreira para fazer lá fora e abdiquei de tudo isso para representar o Benfica no final da carreira, o que abdiquei já dentro da estrutura do Benfica, com propostas do estrangeiro. O meu contrato do Benfica, quando chego a diretor desportivo, tinha prémios de campeão nacional e não estamos a falar de pouco dinheiro. Desde que aqui estou, fui seis vezes campeão nacional enquanto dirigente, não recebi um euro de prémios. A pergunta que faço é: que sentido faria eu abdicar de todo este dinheiro, legítimo e legal, para depois andar metido em esquemas? É talvez a pior ofensa que me podem fazer. Digo sempre que toda a gente tem direito de me julgar em tudo, mas não me parece correto que os próprios benfiquistas me julguem nesse sentido. Os que se recordam do meu passado sabem que eu era capaz de lesar o Benfica no que quer que fosse.

Assinaturas em documentos: "Assino eu como qualquer outro administrador. Isso não implica que eu tivesse conhecimento daquilo que fosse. Teria que ser uma pessoa muito burra para prescindir do que era meu por direito para ajudar outras pessoas. Se eu tivesse implicado em alguma coisa, que sentido faria, em vez de ter saído do Benfica e estar escondido num canto à espera que o navio passa-se, termo exposto desta maneira como presidente do Benfica. O escrutínio sobre mim neste momento seria muito maior. Nunca tive esse medo, esse problema. Estou aqui de corpo e alma. Jamais conseguiria, até por educação minha, mas sobretudo num clube como este. Abdiquei de muito para servir este clube. Jamais poderia prejudicar o Benfica em questões financeiras ou ilegais."

Colaborar com as autoridades: "Estarei sempre disponível. Para esclarecer tudo, como o Benfica sempre esteve em colaboração com o Ministério Público ou a Polícia Judiciária. Enquanto cidadão e agora enquanto Presidente do Benfica, estou à disposição para esclarecer aquilo que seja. Há aqui uma particularidade. Isto vem à baila sempre que o Benfica está em períodos menos bom. Este mês foi difícil para o clube e foram-se buscar muitas notícias antigas para realçar que eu tenho as assinaturas, mas tenho como qualquer outro administrador. É uma situação absolutamente normal que não me atinge em nada a não ser na minha honra. Estou absolutamente tranquilo.

Atos ilícitos do Benfica: "O clube nunca foi dado como arguido, quem está dentro do clube também não, não vejo porque somos nós próprios a levantar tantas vezes as notícias. Muitas dessas notícias são os próprios benfiquistas que as mandam cá para fora. Deixemos o processo correr, esperando sempre que no final do processo ninguém seja culpado de nada, que era bom sinal para o Benfica e é isso que nós, benfiquistas, ambicionamos. Somos nós que levantamos muitas vezes lembres onde elas não existem. Neste papel tenho de ser a pessoa que une o clube, mas custa-me ver que não sejam os próprios benfiquistas a defender o clube.

Confiança em Domingos Soares de Oliveira: "Disse antes das eleições que contava com ele e assim será. É outro nome visado em tudo o que é notícias do Benfica, mas de qualquer maneira confio na pessoa, não tenho razões para o contrário. Apesar de tudo o que se tem dito, tem feito um excelente trabalho no Benfica. O Benfica passou de momentos financeiros muito maus no passado, conseguiu fazer uma recuperação do clube onde Domingos Soares de Oliveira tem um papel fundamental."

PUB

Comunicação social: O Benfica é grande em tudo. Percebo que a comunicação social precise de maus temas do Benfica, mas tem de ser correto com o clube. Eu acredito que não tem sido. O Benfica sofre hoje um ataque em alguma comunicação social que é clara. Não considero justo. Não acredito que só haja problemas no Benfica. Não peço que não discutam os problemas do Benfica, mas faz-me confusão que qualquer problema sirva para cinco horas de programas e jornais para todas as semanas. Não percebo como é que não há problemas nos outros clubes. Será que é menos notícias buscas noutros clubes, como aconteceram no nossos, do que o Flamengo querer Jorge Jesus? Será que esta notícia é mais importante que todas as outras que naquela mesma semana vieram timidamente a público? As nossas estão diariamente em todo o lado. Temos assistido a toda esta feira à volta do Benfica. Está a ultrapassar todas as regras de informação. O Benfica está sofrer um ataque cerrado onde não percebo o porquê. Não é o Benfica que tem de decidir o que vai fazer com a imprensa, mas sim qual é o relacionamento que a imprensa quer ter com esta instituição. Vamos agir em consequência disso. Não quero que a imprensa esconda os nossos problemas, quero que respeite o Benfica. Caso contrário, agiremos em consequência."

Auditoria forense: "Essa auditoria foi entre a uma empresa, que apresentou os resultados a mim, ao vice-presidente do jurídico e aos nossos advogados a 22 de dezembro. Essa primeira auditoria foi feita a reboque com o que estava a ser feito com o Ministério Público. Nesses primeiros três contratos não foi achado nada onde ficasse claro que o Benfica tivesse sido lesado. Foi decidido pelos nossos advogados que o Benfica não se iria constituir como assistente do processo uma vez que para já, não se justificava, reservando isso para uma futura ocasião se se justifique. Sei que é delicado porque permiti aos adeptos que o faria, porque assim também me prometeram, que seria entregue em outubro, desde logo nós mesmo que quiséssemos fazer algo nesse momento, não seria lógico da nossa parte e acabei de me manifestar contra as escutas, não seríamos nós a quebrar o segredo de justiça. O que foi proposto pelos advogados e a empresa e que concordámos de imediato era estender esta auditoria aos contratos que o Ministério Público tem agora em posse, que são 55 contratos. Isto prova que se houvesse alguma intenção de esconder, eu teria ficado por aqueles três contratos, uma vez que provam que o Benfica não foi prejudicado, limpava as mãos e deixava o processo como estava. Nós quisemos levar o processo até ao fim em paralelo com o MP e no final analisar em que ponto está a situação. Se pelo meio acharmos que temos a obrigatoriedade de nos constituirmos assistentes do processo, assim o faremos. Serei implacável neste processo do início ao fim."

Investidor John Textor: "Temos mantido conversas com John Textor, têm sido públicas, dois vices tiveram mais uma reunião com ele e o que temos vindo a fazer é analisar se é oportuno e o que é que o John pode aportar ao clube. Não fazemos nada de forma leviana. Estamos a analisar até onde o John Textor ou qualquer outro investidor possa ser oportuno para o Benfica. Lembrar que ele não está a comprar ações ao Benfica, mas temos um entendimento para o futuro que qualquer investidor possa aportar valor ao Benfica, não só financeiro mas também desportivo. Não está definida resposta final. Posso também esclarecer que discutiremos este tema com variadíssimos investidor sempre com a premissa que o clube nunca perderá a maioria da capital da SAD: O Benfica será sempre dos benfiquistas."

Novo administrador nomeado por António dos Santos: "É um acionista minoritário que quer meter um administrador da SAD. É a primeira vez que acontece e baralhou-nos as contas, quando comecei a constituir a nova SAD não tinha isso em mente. Quis cumprir a lei e daí a entrada de duas mulheres para fazer a quota. Agora com a entrada do novo administrador estas contas voltam a ficar furadas. Temos até dia 24 para estudar a solução para se cumprir essa quota que é para mim de extrema importância. A única coisa que me alerta é se até aqui nunca tinha havido essa necessidade, porque é que agora há?"

Futuro da SAD: "Escolhi estes nomes porque são pessoas da maior credibilidade para mim e que trarão um enorme aporte a esta SAD. Percebe-se que é completamente diferente das anteriores. São pessoas que tenho a certeza que me vão ajudar com algo que quero fazer de imediato, que é reforçar o compliance do clube. São pessoas das mais variadas áreas com provas dadas. Quero acabar com estas suspeitas todas. Prometi aos adeptos clareza nas ações e para isso é essencial, no que diz respeito à SAD, o reforço nessa área do compliance."

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG