O Jogo ao Vivo

Benfica

Rui Costa: "Não me apoderei de nada. Tive de me chegar à frente"

Rui Costa: "Não me apoderei de nada. Tive de me chegar à frente"

O presidente do Benfica e candidato às eleições de 9 de outubro está em campanha eleitoral e, este domingo, visitou as casas do clube em Paredes e Vila Nova de Gaia. Na margem Sul do Rio Douro, o antigo internacional português abordou a forma como sucedeu a Luís Filipe Vieira e garantiu que vai ouvir todos os adeptos e sócios, mesmo aqueles que o criticam.

Mesmo em tempo de pandemia, a Casa do Benfica de Vila Nova de Gaia encheu para receber Rui Costa e foram várias as dezenas de sócios que ficaram no corredor do centro comercial, o que motivou as primeiras palavras do presidente-candidato.

"Vinha cheio de palavras e agora fiquei sem saber o que dizer com esta receção. Não sabia que havia casas com esta paixão. Nasci, cresci e morri - futebolisticamente, claro - benfiquista e o apoio que se sente no Norte do país foi e é maravilhoso e extraordinário. Não sou chorão, mas sou sentimental, e quem não se sentir emocionado com estes momentos ou está morto ou é de pedra", afirmou Rui Costa, aproveitando para deixar a garantia de que todos serão ouvidos.

"Se eu estiver neste lugar [de presidente, depois das eleições] prometo acordar e adormecer a pensar nos sócios e adeptos, porque vocês são os donos do Benfica. A nossa premissa é servir o Benfica e temos de ouvir todos os adeptos e sócios, até os críticos. Eu vou errar, claro, mas é convosco que quero evoluir", acrescentou, ainda antes de abordar, com alguma emoção à mistura, a forma como se processou a sucessão a Luís Filipe Vieira, que abdicou do mandato.

"Não têm sido tempos fáceis para ninguém, mas não me apoderei de nada: tive de me chegar à frente e foi muito difícil para mim [emociona-se]. Quando disse ao meu pai 'vou ter de ser presidente do Benfica' ele só me disse 'podes contar com os meus 50 votos'. Serei sempre prático e sério, à Benfica, não sei viver de outra forma. Não vou agradar a toda a gente, mas ninguém vai atacar a minha honra", garantiu, antes de deixar uma crítica velada ao cartão do adepto criado esta temporada.

Alto rendimento e sonho europeu

"Somos os melhores do país e temos de estar na linha da frente das grande decisões, dos direitos televisivos ao cartão do adepto. Agora que os adeptos já podem ir aos estádios, criaram o cartão de adepto e fica aquele vazio nas bancadas. Não nos tirem os adeptos!", pediu o candidato, anunciando o projeto de construção de um centro de alto rendimento e de uma Casa do Sócio, no Estádio da Luz.

PUB

Em tempo de campanha, a ambição europeia é sempre um dos temas, mas Rui Costa apenas prometeu o direito ao sonho: "Joguei e tive a felicidade de ganhar a Liga dos Campeões, infelizmente não com a nossa camisola, e seria demagogo prometer dois títulos europeus. Seriam balelas. É difícil competir com equipas que tem mil milhões de euros, mas, por muito difícil que seja, ninguém pode perder a ambição de lá chegar. Somos um clube mundial e temos a raça, o crer e a ambição que ninguém tem".

Garantindo que o Benfica "não deve dinheiro a ninguém", apesar das dificuldades causadas pela pandemia, o candidato não deixou de abordar o tema da formação: "Cheguei ao Benfica aos 8 anos à procura de um sonho e a aposta na formação nunca vai deixar de ser uma realidade. Além disso, somos o único clube que disputa todas as modalidades femininas e não está longe o tempo em que para um clube participar na Liga dos Campeões (masculina) tem de ter uma equipa feminina", revelou o líder das águias.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG