Direitos televisivos

Salvador: "Ninguém quer ser prejudicado, o que queremos é uma maior igualdade"

Salvador: "Ninguém quer ser prejudicado, o que queremos é uma maior igualdade"

António Salvador, presidente do Braga, foi um dos dirigentes presentes na 7.ª Cimeira de Presidentes da Liga, que decorreu esta quinta-feira no Porto, e à saída abordou a questão da centralização dos direitos televisivos.

"Foi com grande satisfação que ouvi os três grandes dizerem que estão de acordo com a centralização dos direitos televisivos. Até 2025, a Liga tem de informar como será feita a distribuição pelos clubes, caso contrário, o Governo fará essa tarefa. O que foi falado aqui e pedido à direção da Liga, foi que criasse um comité que, juntamente com a FPF, apresente aos clubes a forma de distribuição dos direitos televisivos, até ao próximo conselho de presidentes, em fevereiro de 2022", referiu o representante máximo dos arsenalista.

António Salvador realçou, ainda, que apesar de Portugal ocupar o quinto lugar do ranking da FIFA, desses países é "o único ainda sem centralização". "Outros países já o fizeram e nós não vamos fugir muito ao que foi feito lá. Esse comité que será formado, vai trabalhar até janeiro ou fevereiro e vai apresentar aos clubes o modelo de distribuição. Ninguém quer ser prejudicado, o que queremos é uma maior igualdade. Se possível, que os que recebem mais, recebem mais ainda, e os que recebem menos, comecem a receber muito mais", assinalou.

E antecipou para daqui a dois anos o início do processo. "É possível que a centralização dos direitos televisivos aconteça na época 2023/24, mas o presidente da Liga foi mais otimista e diz que é possível entrar em funcionamento já na próxima época. Seria uma grande notícia para o futebol português. Foi uma reunião muito proveitosa e muito importante para que se marque um ponto de viragem no futebol português", concluiu.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG