F. C. Porto

Sérgio Conceição: "Se queremos ser campeões temos de dar mais do que aquilo que fizemos"

Sérgio Conceição: "Se queremos ser campeões temos de dar mais do que aquilo que fizemos"

Sérgio Conceição considerou que a derrota do F. C. Porto em Famalicão (2-1), esta noite de quarta-feira, se deve à falta de concentração competitiva e assumiu que a equipa precisa de dar mais para ser campeã.

"Em termos de estatísticas fomos superiores em tudo, agora jogos não se ganham com estatísticas, ganham-se com uma equipa que tem de ser competitiva, que tem de ter mentalidade de campeã. Porque a partir do momento em que falhámos algumas ocasiões claras na primeira parte, com o adversário sem criar grande perigo e nós a controlarmos o jogo, não podemos perder tudo o que fizemos até então com um golo", afirmou o treinador dos azuis e brancos.

Sérgio Conceição apontou as falhas da equipa: "Não se pode baixar a cabeça, não se pode jogar depois mais com o coração do que com aquilo que foi estrategicamente preparado e penso que foi aí".

"Conseguimos o empate, quisemos ir à procura da vitória e praticamente no momento seguinte sofremos o golo. Sinceramente, esperava mais, assumo o que aconteceu em campo, agora, se queremos ser campeões temos de dar mais do que aquilo que fizemos hoje, principalmente em termos de concentração competitiva, pois basta um erro para deitar tudo a perder", acrescentou o treinador dos dragões.

"Sabemos que o Famalicão é uma equipa compacta, que é difícil entrar por dentro, que tinha de ser com o 'timing' certo na largura e na profundidade que tínhamos de trabalhar. A partir do momento que o treinador adversário sente que quer defender o resultado, meto mais um avançado e meto o Marega na direita, até porque o lateral que entrou poderia dar mais peso ao ataque", justificou Sérgio Conceição, continuando: "Quando empatámos, com três avançados poderosos na frente poderíamos fazer um jogo um pouquinho diferente e utilizar mais os nossos avançados para conseguir a vitória. Houve a ocasião do Aboubakar, um lance em que há penálti, pelo que vi depois na televisão".

"Por isso temos de ser mais fortes no campo, temos de ser mais fortes fora do campo. Isto vai ser uma luta verdadeiramente contra tudo e contra todos, sabíamos disso, temos de estar preparados para isso e temos de ser fortes mentalmente. Hoje não fomos como deveríamos ter sido", frisou o treinador portista, avaliando o peso de perder no recomeço da competição: "Tem o impacto que tem, não estamos habituados a perder, não ficamos bem quando perdemos. Temos de pensar sim em trabalhar já amanhã para ganhar os nove jogos que faltam no campeonato".

E finaliza: "É essa a mentalidade que tem de haver na equipa. Queremos homens de caráter, queremos homens com personalidade, que assumem nos momentos menos bons essa mesma responsabilidade e eu assumo-a aqui como treinador, para dar uma resposta positiva nos próximos jogos".