Desporto

Sindicato denuncia alegadas pressões sobre jogadores de Leiria

Sindicato denuncia alegadas pressões sobre jogadores de Leiria

O Sindicato dos Jogadores Profissionais de Futebol revelou este domingo em comunicado que o presidente da Liga, Mário Figueiredo, tem pressionado, com telefonemas, os futebolistas que rescindiram com a União de Leiria.

"Mário Figueiredo tem nas últimas horas desenvolvido contactos telefónicos pessoais com os ex-futebolistas da União de Leiria, pressionando-os a comparecerem no jogo desta tarde com o Feirense, colocando em causa o exercício dos direitos dos jogadores, nomeadamente, o direito à rescisão de contrato", diz o Sindicato dos Jogadores Profissionais de Futebol (SJPF).

Na mesma nota, o organismo considera tratar-se de um comportamento "grave", referindo que Mário Figueiredo "procura que os jogadores cometam uma ilegalidade e entrem em campo (este domingo com o Feirense) de forma ilegal, mesmo sem vínculo contratual com o clube".

"Tendo a oportunidade para resolver o problema do incumprimento nas últimas semanas, só agora o presidente da Liga se apercebe da gravidade da situação dos jogadores da União de Leiria e das implicações desportivas da rescisão coletiva em toda a competição", acrescenta.

O Sindicato de jogadores revela ainda que os jogadores transmitiram ao presidente da LPFP estarem "irredutíveis na posição assumida".

Na sexta-feira, 16 jogadores da União de Leiria anunciaram a rescisão dos seus contratos, devido à situação de salários em atraso, sobrando apenas seis elementos com contrato no plantel, em vésperas do jogo da 28.ª e antepenúltima jornada da Liga, com o Feirense, marcado para as 16 horas deste domingo.

Com os dois juniores inscritos, a União de Leiria poderá apresentar uma equipa com o mínimo regulamentar de sete jogadores, evitando a falta de comparência.

Em caso de falta de comparência numa das três últimas jornadas, o regulamento determina que o clube infrator é punido com derrota por 3-0, multa de 50 mil euros e descida de divisão, a qual poderá ser evitada se for justificada com comprovado motivo de força maior.

No entanto, a administração da SAD da União de Leiria já admitiu declarar o abandono da competição, o que poderá acarretar para o clube penalizações mais drásticas, como a desclassificação no campeonato, a exclusão das competições profissionais por um período entre uma e cinco épocas e uma multa de 100 mil euros, além de implicar com a classificação de todos os outros clubes.