Futebol

Sindicato dos jogadores contra cortes salariais "indiscriminados"

Sindicato dos jogadores contra cortes salariais "indiscriminados"

Entidade representativa dos jogadores de futebol esclareceu esta terça-feira os princípios das negociações com a Liga de Clubes para a pausa competitiva.

O Sindicato dos Jogadores está recetivo a ajustar o regime de férias, mas não aceita cortes salariais "indiscriminados" e condena os clubes que "recorram ao lay-off com suspensão do contrato de trabalho, sem dar aos seus trabalhadores qualquer possibilidade de negociação".

"O Sindicato aceita que o regime de férias tem de ser ajustado às necessidades de retoma da competição desportiva, num momento e condições excecionais, dando às entidades empregadoras alguma flexibilidade na definição do respetivo período legal de férias", lê-se no comunicado.

Sobre a questão financeira, a nota oficial esclarece que "o Sindicato nunca se mostrou disponível, na posse dos elementos que foram disponibilizados previamente à negociação, para cortes salariais indiscriminados, seja em que percentagem forem".

"Quem aufere rendimentos mais elevados pode sofrer um corte maior, quem aufere rendimentos mais reduzidos, deve ver o seu salário menos afetado, sendo de acolher o princípio de que os cortes feitos nesta fase de transição possam ser repostos/compensados em data a acordar pelas partes na relação laboral desportiva, num momento de retoma financeira e com a possibilidade de adaptação, de acordo com a evolução da retoma das competições", acrescenta a nota.