Relatório e Contas 2020/21

Sporting apresenta prejuízo de 33 milhões

Sporting apresenta prejuízo de 33 milhões

Crise mundial que afetou o mercado de transferências e outras fontes de receitas é a causa apontada para justificar as contas no vermelho

O Sporting apresentou um resultado líquido negativo de 33 milhões de euros na época 2020/21, informou a SAD no Relatório e Contas enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

O documento revela uma quebra de receitas em transações de jogadores de 71 milhões de euros e uma quebra nas receitas operações (excluindo jogadores) de 20 milhões de euros, consequência da realização de jogos à porta fechada.

"O resultado líquido negativo de 33 milhões de euros apresentado neste exercício é resultado direto de um contexto mundial de crise, com consequências na quebra das receitas de transação de jogadores e das receitas operacionais pela ausência de público nos estádios. Colocam-se-nos enormes desafios pela frente, mas é de enaltecer a importância do trabalho de construção de bases conseguido até aqui pois, caso contrário, não nos teria sido permitido atravessar este período", enaltece Frederico Varandas, presidente leonino, na mensagem dirigida aos adeptos.

Apesar dos resultados, a sociedade liderada por Frederico Varandas revela ter conseguido reduzir os gastos operacionais em 15,5 milhões de euros.

Nos gastos com pessoal, registou-se um ligeiro aumento de 60,54 milhões de euros para 61,99. Um crescimento justificado pelos prémios de desempenho e de performance desportiva. "Não deixámos de investir no clube, com base numa política de investimento criteriosa, distribuindo os escassos recursos na capacitação dos nossos quatro pilares estratégicos - Pessoas, Estrutura, Sistemas de Suporte e Interacção com o Sócio. O título de Campeão Nacional de 2020/2021 é assim uma conquista da articulação de todos eles mas, desde logo, do pilar primeiro que torna todos os outros possíveis: as Pessoas", salienta Varandas.>

O Relatório e Contas indica ainda que o recente mercado de Verão registou uma quebra de valor nas transacções de 2828 milhões de euros (menos 43%) nas cinco principais ligas em comparação com o de 2019, o último mercado de Verão antes da pandemia de covid-19. O valor total das transacções nos dois mercados de 2021 (3822 milhões de euros) é mesmo inferior ao de 2015 (3850 milhões de euros), sendo que o valor cresceu cerca de 73% entre 2015 e 2019.

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG