Futebol

Sporting falha pagamento da primeira prestação de Rúben Amorim

Sporting falha pagamento da primeira prestação de Rúben Amorim

Os leões contrataram Rúben Amorim aos minhotos em março, antes da paragem do campeonato, por dez milhões de euros, valor da cláusula de rescisão. O pagamento iria ser feito em duas prestações. O JN sabe que o Sporting falhou o pagamento da primeira.

A 5 de março, Rúben Amorim foi oficializado no Sporting depois dos leões assumirem o pagamento dez milhões de euros ao Braga, valor da cláusula de rescisão. Na época, os minhotos emitiram um comunicado à CMVM no qual explicaram que o valor iria ser recebido em duas prestações: a primeira até 6 de março e a segunda até 5 de setembro.

"Duas prestações de 5.000.000,00€ (cinco milhões de euros) cada uma, a primeira até ao dia 6 de março de 2020 e a segunda até ao dia 5 de setembro de 2020. Pelo diferimento até esta data do pagamento correspondente à segunda prestação a SPORTING CLUBE DE PORTUGAL - FUTEBOL, SAD obrigou-se a pagar à SPORTING CLUBE DE BRAGA - FUTEBOL, SAD a quantia adicional correspondente a juros calculados à taxa de 6% ano até pagamento efetivo e integral que se acontecer apenas a 5 de setembro de 2020 se fixaram desde já em 155.000,00€ (cento e cinquenta e cinco mil euros). A quantia referente ao IVA será paga, integralmente, até ao dia 30 de março de 2020", pode ler-se.

No entanto, sabe o JN, o Sporting não procedeu ao pagamento da primeira prestação da transferência. Fonte dos leões explicou ao nosso jornal que esta situação é "um ato de gestão excecional motivado pelo atual estado de emergência" e garantiu que o pagamento será feito quando a situação melhorar.

Rúben Amorim, de 35 anos, chegou ao comando técnico da equipa principal do Braga em dezembro, depois de uma passagem pela equipa B dos minhotos. Em março, depois de ter conquistado uma Taça da Liga, foi contratado pelo clube de Alvalade por dez milhões de euros, valor que o torna no terceiro treinador mais caro do mundo, apenas atrás de Brendan Rogers - que custou 10,5 milhões ao Leicester em 2018/19 - e André Villas-Boas, que rendeu 15 milhões de euros ao F. C. Porto na altura em que assumiu o Chelsea em 2011.

Outras Notícias