Desporto

Sporting vai instaurar inquérito no caso que envolve Pereira Cristóvão

Sporting vai instaurar inquérito no caso que envolve Pereira Cristóvão

O Sporting revelou, esta terça-feira, através de comunicado, ter pedido ao Conselho Fiscal e Disciplinar a "instauração de um procedimento prévio de inquérito" no caso que envolve o vice-presidente Paulo Pereira Cristóvão.

"Tendo em atenção a natureza dos referidos factos entende o Conselho Diretivo que se mostra necessário apurar com maior detalhe e rigor a extensão dos mesmos, bem como as circunstâncias relacionadas com estes", diz o comunicado publicado no sítio oficial do clube.

Na mesma nota, o Sporting começa por enquadrar os acontecimentos dos últimos dias, nomeadamente as buscas e apreensões efetuadas pela Polícia Judiciária às instalações do clube, na última quinta-feira, 12 de abril.

O clube lembra que a situação que levou a PJ à sede decorreu "no âmbito de uma investigação criminal por denúncia caluniosa", e na qual "vieram a público um conjunto de factos envolvendo Paulo Pereira Cristóvão".

O Sporting diz ainda ter avançado com o pedido de instauração de um procedimento prévio de inquérito, por proposta do presidente do Conselho Diretivo do clube, Godinho Lopes.

Esta é a mais recente posição do Sporting em relação ao "caso" que envolve Pereira Cristóvão, depois de o clube ter reintegrado o dirigente na segunda-feira, pondo fim a uma suspensão de mandato que este fizera na última semana.

Paulo Pereira Cristóvão pedira a suspensão depois de ter sido constituído arguido no caso do dinheiro que apareceu na conta do árbitro auxiliar de futebol José Cardinal, poucos dias antes do encontro com o Marítimo, dos quartos de final da Taça de Portugal.

Além do vice-presidente "leonino", outras duas pessoas foram constituídas arguidas no âmbito de uma investigação por denúncia caluniosa qualificada.

Fonte ligada ao processo disse à agência Lusa na semana passada que os três arguidos são o vice-presidente do Sporting Paulo Pereira Cristóvão, ex-inspetor da Polícia Judiciária (PJ), o elemento que segundo a denúncia estava a depositar dinheiro na conta do árbitro de futebol assistente e uma pessoa ligada profissionalmente ao dirigente "leonino".

Entretanto, já na segunda-feira, o clube lisboeta decretou um "blackout" da equipa de futebol, garantindo apenas as conferências de imprensa, "flash-interviews" e a informação colocada no sítio da Internet.