Desporto

"Temos uma palavra a dizer" na Liga Europa, afirma Costinha

"Temos uma palavra a dizer" na Liga Europa, afirma Costinha

À terceira jornada da Liga Europa, o Paços de Ferreira procurará, esta quinta-feira (20.05 horas), em Guimarães, obter a primeira vitória no grupo E, à custa da equipa ucraniana do Dnipro Dnipropetrovsk. Francisco Costinha tem muitas baixas na equipa - quatro atacantes estão lesionados -, mas acredita que os castores podem ganhar. "Ainda temos uma palavra a dizer", diz o treinador dos "castores".

Não bastasse o Dnipro, terceiro classificado da liga ucraniana, com os mesmos pontos do segundo, o gigante Shaktar Donetsk, ser um rival de respeito, o Paços ainda terá de ultrapassar as suas próprias limitações para chegar à primeira vitória no torneio. De uma assentada, a equipa da Mata Real tem fora de combate quatro atacantes - Manuel José, Caetano, Carlão e Hurtado, todos lesionados - e só lhe restam outros dois, Bebé e Irobiso, para montar o cerco à baliza dos ucranianos.

O cenário não é o melhor - também o defesa Jaílson está lesionado -, mas Costinha vai a jogo de peito aberto. "Jogaremos com as nossas armas", diz o treinador, ele que pondera já o próximo jogo da liga, na segunda-feira, com o V. Guimarães, na Mata Real. "Temos cinco lesionados para o jogo com Dnipro e sete indiponíveis para a partida com o Vitória", observa o técnico dos castores, referindo-se à impossibilidade de poder contar com outros dois titulares no desafio da oitava jornada da Liga. O defesa central Ricardo e o médio Filipe Anunciação foram expulsos do jogo com a Oliveirense, para a Taça, e estão suspensos para o jogo com o Vitória.

São muitas contrariedades, que Costinha terá de tratar com pinças. "Temos de saber gerir os grupo de jogadores disponíveis. Mas é por isso que o plantel tem 27 jogadores, todos com capacidade para jogar", verifica o técnico do Paços.

A equipa da Mata Real já treinou, esta tarde de quarta-feira, no Estádio D. Afonso Henriques, palco do jogo com o Dnipro, uma vez o recinto da Mata Real não observa as condições exigidas pela UEFA.