Liga

Tempo de compensações é a nova polémica do futebol português

Tempo de compensações é a nova polémica do futebol português

Treinadores queixam-se que os árbitros dão sempre poucos descontos depois do tempo regulamentar. O JN fez as contas e os jogos da Liga têm, em média, cinco minutos de compensação. Há quem defenda que não seja suficiente.

Com oito jornadas disputadas, o tempo de compensação dado pelos árbitros tem sido criticado por vários treinadores, num contexto de polémicas relacionadas com perdas de tempo dos adversários, como ainda se viu na ronda passada no Marítimo-Benfica. Interessava, por isso, fazer as contas ao que tem sucedido no que vai de campeonato e a conclusão é esta: nos 72 jogos realizados até agora, a média de tempo jogado nos descontos foi de cinco minutos. Houve três jogos em que foram dados 10 minutos de compensações, três em que foram dados nove e outros três em que foram dados oito.

Segundo o ex-árbitro Paulo Pereira, a média de cinco minutos de jogo após os 90 regulamentares "é superior à das épocas anteriores", embora seja "inferior à que era expectável para a época em curso", tendo em conta "a utilização do VAR durante as partidas e o facto de cada equipa poder fazer cinco substituições".

"O VAR é o que faz com que o tempo de jogo se prolongue mais. Não fico surpreendido com esta média de cinco minutos de compensações, mas contava que fossem dados mais. Nas épocas anteriores, a média andava nos três ou quatro minutos", afirma, ao JN, Paulo Pereira, revelando que "os árbitros têm indicações precisas e são incentivados pelo Conselho de Arbitragem a darem o tempo de compensação que considerem necessário, na medida justa do que acontece em cada jogo".

Em relação aos casos de perdas de tempo por parte das equipas em função do resultado, nomeadamente através dos guarda-redes, cujas eventuais lesões implicam de imediato a paragem do jogo, e consequentes críticas dos treinadores adversários, Paulo Pereira considera que isso não está relacionado diretamente com o trabalho dos árbitros.

O tempo que se perde no var

"Essas críticas e polémicas nascem mais de discussões entre os protagonistas, sobretudo os treinadores. Foi isso que se passou, por exemplo, no Marítimo-Benfica. Regra geral, penso que os árbitros têm compensado bem essas perdas de tempo. O que pode não estar ainda totalmente afinado são as compensações dadas às paragens para análise de lances pelo VAR. Há muitas situações de jogo que são visionadas e, quando é preciso pôr as linhas de fora de jogo, o processo na liga portuguesa ainda está um bocado perro. É aqui que se pode melhorar", considera o ex-árbitro.

PUB

Top 10 dos jogos com mais minutos de compensação

Portimonense-Paços de Ferreira, 1-1 (90+10 m)

F. C. Porto-Marítimo, 2-3 (90+10m)

V. Guimarães-Braga, 0-1 (90+10)

Marítimo-Tondela, 2-1 (90+9)

Belenenses-Famalicão, 1-2 (90+9)

Santa Clara-Gil Vicente, 0-0 (90+9)

Moreirense-Farense, 2-0 (90+8)

Gil Vicente-Tondela, 1-1 (90+8)

Nacional-Paços de Ferreira, 1-1 (90+8)

F. C. Porto-Gil Vicente, 1-0 (90+7)

Pontos fora de horas

Nacional - Boavista (1.ª J)
90+1" João Camacho faz o 3-3 e o golo dá um ponto à equipa madeirense.

Tondela - Rio ave (1.ª J)
90+2" Meshino faz o 1-1 e o golo vale um ponto à equipa vila-condense.

Farense - Famalicão (4.ª J)
90+3" Mansilla faz o 3-3 e o golo garante um ponto à equipa algarvia.

Famalicão - Boavista (5.ª J)
90+3" Jhonata faz o 2-2 e o golo dá um ponto à equipa famalicense.

Belenenses - Farense (6ª. J)
90+7" Bruno Edgar faz o 1-1 e o golo vale um ponto à equipa lisboeta.

Nacional - Gil vicente (7.ª J)
90+3" Rochez faz o 2-1 e garante mais dois pontos à equipa da Choupana.

Nas oito primeiras jornadas da liga, foram marcados 13 golos depois dos 90 minutos, embora só seis com implicações a nível pontual para as equipas que se estavam a defrontar.

Carlos Brito, treinador e comentador desportivo: "Sensação de que as paragens não são devidamente compensadas"

Surpreende-o que a média de tempo de compensação dada pelos árbitros nesta temporada seja de cinco minutos?
Sim, um pouco. A sensação que dá a quem assiste aos jogos é que o tempo de compensação dado pelos árbitros geralmente não é suficiente para as paragens de jogo que há, sobretudo nas segundas partes. Mas cinco minutos, em média, já não é muito mau. Sinceramente, pensei que fosse inferior, mas mesmo assim entendo que a média devia subir para seis ou sete minutos.

Que justificações encontra para haver agora um maior tempo de compensação?
Penso que tem sobretudo a ver com o facto de cada equipa poder fazer cinco substituições, que regra geral são efetuadas nas segundas partes dos jogos. Se não acontecer nenhuma ao intervalo, pode haver até seis paragens de jogos na segunda parte e esse tempo tem de ser compensado após os 90 minutos. Claro que também há lesões, o visionamento de lances pelo VAR e, claro, há equipas que jogam mais com o relógio em função do resultado.

O VAR é um fator de paragem por vezes demasiado longa?
Creio que sim. Quando estou a ver um jogo, fico com a sensação de que as paragens provocadas pelo VAR não são devidamente compensadas. Tal como acontece com as substituições. Tudo isto são perdas de tempo útil, embora as pessoas não liguem muito se acontecerem nas primeiras partes.

Se os árbitros derem mais dois ou três minutos no final, isso pode fazer a diferença?
Depende dos jogos, mas claro que pode. Se o resultado estiver equilibrado e por decidir, há pormenores que mudam um jogo. Claro que, se o resultado estiver desnivelado, isso já não se verifica. E os árbitros, por norma, quando um jogo está 4-0 ou 5-0, nem compensam as paragens que houve, o que é discutível. Tem de imperar o bom senso.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG