Futebol

Treinador do Boavista diz que estratégia passa por "desorganizar" o F. C. Porto

Treinador do Boavista diz que estratégia passa por "desorganizar" o F. C. Porto

João Pedro Sousa, treinador do Boavista, pediu esta quinta-feira aos jogadores axadrezados que consigam "controlar a pressão" do F. C. Porto através da "competência técnica, tática e emocional", no sábado, no dérbi portuense da 10.ª jornada da Liga Portugal.

"Se quisermos falar muito friamente de uma estratégia global, passa pela capacidade de ter bola e desorganizar o F. C. Porto e a sua pressão, que é forte e constante. Seria o ideal fazer isso em vários momentos e em zonas longe da nossa baliza. Se não, vamos sofrer muito e, se começarmos a sofrer demasiado, a probabilidade de consentir golos é muito grande, dada a capacidade do adversário", frisou o técnico, em conferência de imprensa.

As panteras encaram o duelo da cidade Invicta após três empates consecutivos no campeonato, antecedidos pela derrota no terreno do Benfica (1-3, à sexta ronda), numa fase em que visam "um futebol mais dinâmico e agressivo" para ganharem mais vezes.

"Queremos regressar às vitórias. Estamos conscientes de que não é o jogo ideal para o fazer, mas temos a responsabilidade de o preparar dessa forma. Não adianta falar nas dificuldades nem quero voltar a tocar no assunto, porque, mesmo resolvendo algumas, serão diárias e até ao fim da época", admitiu, em alusão às ausências por lesão de Tiago Ilori, Miguel Reisinho, do equatoriano Jackson Porozo e do guineense Marcelo Djaló.

De regresso está o brasileiro Gustavo Sauer, melhor marcador do Boavista em 2021/22, com cinco golos, que cumpriu castigo no nulo frente ao Belenenses SAD e foi mais uma condicionante para João Pedro Sousa na tarefa de estabilizar as escolhas preferenciais.

"Estou satisfeito com a classificação e a pontuação, mas não com a forma como estamos a competir. Já tentamos algumas variantes, sempre condicionados pela construção um pouco tardia de um onze e pelas lesões que foram surgindo sistematicamente semana após semana. Longe de nós queremos refugiar-nos no que quer que seja", ressalvou.

Convicto da competitividade do F. C. Porto, João Pedro Sousa descartou que o rival surja abalado pela derrota a meio da semana na visita ao Santa Clara (1-3), a primeira esta época em provas nacionais, que impôs o afastamento da final four da Taça da Liga.

PUB

"A sensação que tenho é precisamente o contrário. Muito sinceramente, não me recordo quando é que o F. C. Porto teve duas derrotas consecutivas no conjunto de todas as competições. O último desaire para o campeonato vai há já um ano. Gostávamos de ser nós a causar esse dano e tentaremos fazê-lo, mas temos de ser muito competentes e concentradas, com níveis de agressividade altos e perfeitos a nível tático", enquadrou.

Os axadrezados triunfaram em duas das 58 visitas aos azuis e brancos para a Liga Portugal, a última das quais em 2004/05 (1-0), e empataram pela sétima vez nesse recinto na época anterior (2-2), apesar de terem ido para o intervalo a vencer por dois golos de diferença.

"É um jogo especial para nós e sempre carregado de emoção e de sensações diferentes. Alguns jogadores do Boavista vão sentir essas sensações pela primeira vez e isso é bom para o nosso crescimento. Sendo extremamente complicado, queremos disputá-lo com intensidade, sabendo que é muito importante para o clube e para os adeptos", concluiu.

O Boavista, oitavo colocado, com 11 pontos, visita o F. C. Porto, segundo, com 23, menos um face ao líder Benfica, no sábado, às 17 horas, no Estádio do Dragão, no Porto, em jogo da 10.ª jornada da Liga Portugal, com arbitragem de Tiago Martins, de Lisboa.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG