Ciclismo

Três campeões no pelotão e várias ausências marcam "Vuelta" deste ano

Três campeões no pelotão e várias ausências marcam "Vuelta" deste ano

A 74.ª edição da Volta a Espanha em bicicleta terá três antigos campeões na linha de partida neste sábado, em Salinas de Torrevieja, onde será dado o tiro de partida da primeira etapa, com uma lista de favoritos marcada por ausências de peso.

Este ano, a "Vuelta" tem um arranque tão marcado pelas ausências como pelos favoritos que se perfilam para tentar a vitória final, uma nota evidenciada pelo facto de que a lista de participantes não inclui um único antigo campeão na Volta a França, o que não acontece há seis anos.

De fora está o britânico Chris Froome (INEOS), ainda lesionado, campeão em 2011 e 2017, mas também o italiano Vincenzo Nibali (Bahrain Merida), vencedor em 2010, além do colombiano Egan Bernal e do britânico Geraint Thomas (INEOS), os últimos dois campeões no "Tour". O vencedor da última das três grandes voltas do ano em 2018, o britânico Simon Yates (Mitchelton-Scott), também vai falhar a prova, assim como os franceses Thibaut Pinot (Groupama-FDJ) e Romain Bardet (AG2R La Mondiale), o australiano Richie Porte (Trek Segafredo), o espanhol Mikel Landa (Movistar) e o equatoriano Richard Carapaz.

A Jumbo-Visma apontou a "Vuelta" como uma batalha para ganhar em 2019, levando o esloveno Primoz Roglic e o holandês Steven Kruiswijk como líderes, enquanto o colombiano Esteban Chaves vai encabeçar a Mitchelton-Scott e a Movistar também aposta em força a jogar em casa. Além do campeão do mundo e vencedor da corrida há 10 anos, o espanhol Alejandro Valverde, o colombiano Nairo Quintana vai despedir-se da formação espanhola à procura da terceira vitória numa das grandes provas, após vencer a Volta a Itália em 2014 e em Espanha dois anos depois.

Sem Mikel Landa, o trio de líderes completa-se com o vencedor do "Giro" no início da temporada, outro candidato aos primeiros lugares da geral. O francês Pierre Latour (AG2R La Mondiale) tem a oportunidade de ser chefe de fila, enquanto a INEOS volta a apostar na juventude, com o britânico Tao Geoghegan Hart como principal figura.

O lote de favoritos antes do arranque completa-se com o campeão de 2015, o italiano Fabio Aru (UAE Emirates), o colombiano Miguel Ángel Lopez (Astana) e o holandês Wilco Kelderman (Sunweb), líder na ausência do compatriota Tom Dumoulin, que se muda na próxima época para a Jumbo-Visma.

Para as poucas chegadas ao sprint, os principais nomes são o colombiano Fernando Gaviria (UAE Emirates), em estreia na "Vuelta", o irlandês Sam Bennett (BORA-hansgrohe) ou o campeão holandês de fundo, Fabio Jakobsen (Deceuninck-Quick Step).

O traçado é este ano mais variado do que o habitual, com menos uma chegada em alto do que em 2018, com oito testes para os trepadores e candidatos à vitória final, quatro delas nos primeiros nove dias de prova. Depois do contrarrelógio por equipas que abre a corrida no sábado, em Torrevieja, a subida a Javalembe, no quinto dia, começa a selecionar os favoritos, antes da passagem por Andorra, no nono dia, com menos de 100 quilómetros entre Andorra la Vella e Cortals d'Encamp.

Nesse dia, há uma primeira subida de primeira categoria, a Ordino, antes da passagem pelo temido Col de la Gallina, um dos grandes testes da edição de 2018 e uma subida de categoria especial, acabando já depois de uma secção de empedrado a caminho de Cortals d'Encamp, a mais de 2.000 metros de altura. Depois do primeiro dia de descanso, um contrarrelógio individual em Pau apresenta mais de 36 quilómetros, num exercício difícil e que criará diferenças grandes, antes do regresso da alta montanha.

Los Machucos (13.ª etapa), uma subida em dose dupla, testa o pelotão no norte de Espanha, antes das Astúrias, no 15.º e 16.º dias de corrida, com as ascensões em El Acebo e Cubilla. Antes da chegada a Madrid, em 15 de setembro, há quatro contagens de montanha de primeira categoria na 18.ª etapa, com Navacerrada, La Morcuera e Cotos, antes da chegada a Toledo e da subida à Plataforma de Gredos, uma subida de terceira que servirá como última oportunidade para criar diferenças na geral.

A 74.ª edição da Volta a Espanha em bicicleta arranca no sábado, com um contrarrelógio por equipas em Salinas de Torrevieja, terminando em 15 de setembro em Madrid.

Eis as 21 etapas:
1.ª Etapa (sábado) - Salinas de Torrevieja - Torrevieja (13.4 km - CRE)
2.ª Etapa (25/08) - Benidorm - Calpe (199.6 km)
3.ª Etapa (26/08) - Ibi - Alicante (188 km)
4.ª Etapa (27/08) - Cullera - El Puig (175.5 km)
5.ª Etapa (28/08) - L"Eliana - Javalambre Observatory (170.7 km)
6.ª Etapa (29/08) - Mora de Rubielos - Ares del Maestrat (198.9 km)
7.ª Etapa (30/08) - Onda - Mas de la Costa (183.2 km)
8.ª Etapa (31/08) - Valls - Igualada (166.9 km)
9.ª Etapa (01/09) - Andorra la Vella - Cortals d"Encamp (94.4 km)
10.ª Etapa (03/09) - Jurançon - Pau (36.2 km - CRI)
11.ª Etapa (04/09) - Saint Palais - Urdax (180 km)
12.ª Etapa (05/09) - Circuito de Navarra - Bilbau (171.4 km)
13.ª Etapa (06/09) - Bilbau - Los Machucos (166.4 km)
14.ª Etapa (07/09) - San Vincente de la Barquera - Oviedo (188 km)
15.ª Etapa (08/09) - Tineo - Santuario del Acebo (154.4 km)
16.ª Etapa (09/09) - Pravia - Alto de la Cubilla (144.4 km)
17.ª Etapa (11/09) - Aranda de Duero - Guadalajara (219.6 km)
18.ª Etapa (12/09) - Colmenar Viejo - Becerril de la Sierra (177.5 km)
19.ª Etapa (13/09) - Ávila - Toledo (165.2 km)
20.ª Etapa (14/09) - Arenas de San Pedro - Plataforma de Gredos (190.4 km)
21.ª Etapa (15/09) - Fuenlabrada - Madrid (106.6 km)

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG