F. C. Porto

Tulipa enaltece peso dos jovens formados no clube para o título dos Dragões

Tulipa enaltece peso dos jovens formados no clube para o título dos Dragões

A preponderância da geração vencedora da UEFA Youth League em 2018/2019 na conquista da Liga pelo F. C. Porto teve mérito conjunto, nota o ex-futebolista e treinador Manuel Tulipa, que trabalhou recentemente na formação do clube.

"Este êxito tem a ver com a capacidade e evolução dos jogadores, tal como a liderança e ideia do treinador. Embora muitas vezes não seja campeão em alguns escalões, o F. C. Porto forma com qualidade. O Sérgio Conceição geriu muito bem toda essa envolvência individual e fez crescer notavelmente os atletas", elogiou à agência Lusa o técnico.

Esteios num inédito título das camadas jovens do F. C. Porto, o guarda-redes Diogo Costa, o defesa direito João Mário e os médios Vitinha e Fábio Vieira contribuíram para o 30.º campeonato dos nortenhos, repetindo a senda iniciada já em 2019/2020.

"O Vitinha é um jogador inteiro, que entende muito bem os momentos de organização de pressão e com bola. Evidencia-se por isso, já que não perdeu a sua qualidade, mas conseguiu melhorar o momento sem bola", definiu-o Tulipa, que vê em Fábio Vieira um atleta "especial, pois consegue ver tudo com a cabeça no chão e decifrar o que o jogo pede". "Esses jogadores são os que valem muito dinheiro", elogia.

Já Diogo Costa "é dos guarda-redes mais elegantes dos últimos tempos e um pouco uma cópia do Vítor Baía, se calhar, até um pouco mais requintado no jogo com os pés e na intencionalidade de criar e provocar muito jogo ofensivo", enquanto João Mário, "como lateral, partindo de um lugar mais recuado e com o jogo pela frente, desenvolve muitíssimo bem as suas capacidades".

Há ainda os casos de Francisco Conceição, "incrível e competitivo, que gosta de ganhar e está sempre à procura dos duelos", e de Bernardo Folha e Gonçalo Borges, "jogadores de excelência e com potencial muito grande para entrarem proximamente na equipa principal e, se possível, crescerem com o Sérgio Conceição", acredita Tulipa.

"Na minha opinião, determinante é a passagem da equipa B para a A. O jogo muda muito e tudo se processa mais rapidamente. O Sérgio Conceição é muito exigente no trabalho diário e todos crescem, sem perderem as qualidades individuais. É muito importante que os atletas se imponham nas ideias dos treinadores, mas representam algo seu", vincou.

PUB

Desde 2002/2003, na primeira temporada com José Mourinho como treinador, que o F. C. Porto não vencia o campeonato com quatro habituais titulares oriundos da formação, casos do guarda-redes Vítor Baía, dos defesas Jorge Costa e Ricardo Carvalho e do avançado Hélder Postiga.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG