Rali de Portugal

Um galês voador e o azar a bater à porta dos dois Sébastien

Um galês voador e o azar a bater à porta dos dois Sébastien

Elfyn Evans vence quatro das oito especiais do dia e lidera perante a aproximação do Kalle Rovanpera. Loeb e Ogier fora da luta pelo triunfo

Os mais de 121 quilómetros de classificativas cronometradas no primeiro dia a doer do Rali de Portugal 2022 foram pródigos em momentos emocionantes e, perante o infortúnio dos dois mais bem sucedidos pilotos da história do Mundial WRC, foi Elfyn Evans a fechar a etapa com um sorriso no rosto. Depois da vitória no nosso país em 2021, o piloto galês está bem lançado para lutar pelo "bis", mas tem a forte concorrência do líder destacado do campeonato, Kalle Rovanpera, que batalhou contra a dificuldade de abrir os troços até subir ao segundo lugar da classificação geral.

Ao volante de um Toyota Yaris GR, Evans brilhou bem cedo pela manhã e não se limitou a ser o mais rápido na primeira passagem pela Lousã. Deixou o segundo classificado - Gus Greensmith - a mais de seis segundos, uma autêntica eternidade a este nível.
O britânico repetiu o sucesso em Góis, mas desta vez pela mais curta das margens (0,1 segundos) em relação a Ott Tanak (Hyundai), numa tirada em que os sete mais rápidos ficaram separados por sete centésimos de segundo! A histórica classificativa de Arganil coroou o piloto que mais vezes fez história no WRC: o nove vezes campeão do Mundo, Sébastien Loeb, foi o mais rápido e saltou para o topo da classificação geral, mas o almoço não fez nada bem ao gaulês.

PUB

Na primeira especial da tarde - a segunda passagem pela Lousã -, o piloto da Ford só durou cerca de 100 metros antes de embater num muro e ficar fora da luta pelo triunfo, abrindo caminho ao outro Sébastien. Ogier foi o mais rápido na PE5, mas a maldição gaulesa voltou a atacar. O campeão do Mundo em título furou um pneu em Góis 2, perdeu tempo, mas o pior ainda estava para vir. Um novo furo, desta vez em Arganil e já sem pneus suplentes, ditou a desistência no dia e o adeus à esperança de bater o recorde de triunfos em Portugal (cinco), que divide com Markku Álen.

Evans e Rovanpera aproveitaram para marcar os melhores tempos em Arganil 2 e Mortágua, antes da caravana deixar o Centro do país e rumar a Norte para uma lotada Superespecial de Lousada. O galês voltou a ser o mais forte, impondo-se a Takamoto Katsuta, e parte para a etapa de hoje com uns escassos 13,6 segundos de vantagem sobre Rovanpera. A luta promete e muito.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG