Rali de Portugal

Nem a falta de terra tirou brilho à prova

Nem a falta de terra tirou brilho à prova

Família Macedo viajou desde Amarante e desfrutou do melhor da competição. Quem corre por gosto não cansa.

O gosto pelos carros é uma tradição antiga, mas a edição de 2022 representa uma estreia absoluta para a família Macedo, que se deslocou desde Amarante ao Porto para assistir à superespecial, que juntou milhares de fãs do mundo automóvel. Embora seja uma atividade apreciada por (quase) todos os elementos desta "equipa", a ausência do pó, tão habitual nas provas de terra, é o pormenor que "tira algum brilho à prova", diz Filipe Macedo, ao JN.

"Já desde os tempos de escola que gosto de assistir ao rali de Portugal, até à boleia cheguei a ir. Não tenho problema em sujar-me e a tradição deste evento passa mesmo por isso: encontrar uma pedra para sentar e nos acomodarmos como for possível. Aqui as derrapagens fazem falta", salienta o "chefe" do grupo.

PUB

Quase todos os membros da família desfrutaram da passagem dos carros a grande velocidade. A exceção foi Tatiana Branquinho, que não ficou nada convencida com a primeira vez que assistiu ao rali de Portugal, no Porto. "Foi a primeira e a última vez que me apanharam aqui. É muito cansativo andar de um lado para o outro, se tivesse mesmo de ser preferia ir ao lado do meu marido enquanto ele conduzia os carros", revela, divertida.

Adrenalina e panados

Filipe Macedo, agora um atento espectador, já andou dentro dos veículos a percorrer os montes de Amarante, uma experiência que o próprio recomenda e descreve como "uma sensação única. "Já entrei em rali crosses e é uma experiência muito dura. A adrenalina toma conta de nós e fica difícil explicar por palavras o que sentimos quando estamos em prova. É fantástico".

Embora o tema seja o rali de Portugal, nem tudo nesta aventura tem a ver com carros. Catarina Macedo é a responsável pela alimentação e na hora de apresentar a ementa há duas coisas que não podem faltar: panados e minis... fresquinhas. O bom tempo também é relevante para passar um bom dia: "Já acompanho desde criança e adoro ver os carros, o convivío e até gosto de fazer a merenda. O problema desta etapa é que não se vê nada de especial, já nas provas na terra, pelo menos, vê-se derrapagens, que até dá outra emoção".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG