Ciclismo

Todas as lágrimas couberam no sonho de "Mauri", o vencedor da Volta a Portugal

André Manuel GomesSara Gerivaz

A 83.ª Volta a Portugal terminou esta segunda-feira, em Gaia, com uma vitória sofrida, vivida ao limite e mergulhada em gratidão. O sorriso tímido de "Mauri" deu lugar às lágrimas inesgotáveis de felicidade, após ter conquistado o contrarrelógio final.

Partiu para o "crono" sete segundos atrás do camisola amarela, o companheiro de equipa Frederico Figueiredo, sabendo que seria o grande favorito a vencer a Volta a Portugal. O uruguaio Mauricio Moreira foi o corredor mais veloz na ligação de 18,6 quilómetros entre o Porto e Vila Nova de Gaia, cumprindo o exercício individual em 25.07 minutos, e venceu a maior competição velocipédica nacional.

Na chegada ao cais de Gaia, e após ter percebido que seria o 83.ª vencedor da Volta a Portugal, "Mauri" desabou em lágrimas e procurou os pais no meio da multidão, para com eles poder partilhar o turbilhão de emoções que vivia.

A 83.ª Volta a Portugal ficou marcada por um domínio quase absoluto da Glassdrive-Q8-Anicolor, que subiu ao pódio para firmar as três primeiras posições da geral, a camisola da montanha e a classificação por equipas.

Moreira agradeceu o altruísmo de "Fred" - Frederico Figueiredo - que após ter andado cinco dias com a camisola amarela, "entregou" a vitória final ao colega de equipa, que fez a desforra da edição anterior.

Relacionadas