Futebol

Vítor Pereira reconhece mau estado do relvado do Dragão

Vítor Pereira reconhece mau estado do relvado do Dragão

Na antevisão ao jogo do F. C. Porto com o Estoril, no domingo, Vítor Pereira enumerou, entre as dificuldades, o próprio campo estorilista, mas não deixou de reconhecer que também o relvado do Dragão oferece, nesta altura, problemas. Na Amoreira, o técnico aposta na vitória, para, assim, aliar a liderança da liga portuguesa ao comando do Grupo A da Liga dos Campeões.

"Concordo que esta época a relva do Dragão apresenta algumas dificuldades, sobretudo para nós, que queremos jogar rápido. Neste momento, também com o mau tempo, as condições não são as mais favoráveis, mas espero que no futuro as coisas mudem", afirmou, esta sexta-feira, após o treino no Olival.

Sobre a ida ao Estoril, no jogo 1000 de Pinto da Costa à frente do F. C. Porto, salientou ser uma data que lhe "apraz registar", acima de tudo por marcar um percurso com "muitas conquistas e troféus".

Na abordagem à visita à Amoreira, elencou parte da agenda portista: "agressividade, ritmos fortes, saídas rápidas nas transições ofensivas e concentração nas bolas paradas." Na memória, Vítor Pereira guarda os pontos perdidos diante de adversários de igual dimensão, Gil Vicente e Rio Ave, daí ter dito que a partida exigirá "um F. C. Porto ao melhor nível".

Depois de observar que atuar no campo do Estoril não é o mesmo que jogar em casa, no Dragão, e ter reclamado a "alteração do calendário competitivo", de modo a evitar paragens de duas ou três semanas, salientou que o objetivo portista é acumular duas lideranças.

"Queremos pertencer ao restrito grupo das equipas que lideram a liga nacional e o Grupo na Champions. Vamos agarrar-nos a esta ideia com todas as forças", salientou.

Quanto à prometida análise ao jogo da Taça de Portugal, com o Santa Eulália, em que valeu o resultado e não a exibição, adiou a conversa para a próxima eliminatória. "Não estou a fugir ao encontro da Taça. Vou abordar essa questão quando voltarmos à prova. Até faço questão que me recordem disso", afirmou.

A terminar, acerca da qualidade de Jackson Martínez, remeteu para os jornalistas a avaliação do trabalho do colombiano. "Já o observo há muito tempo. Há dois anos! Tenho a minha opinião bem formada", respondeu.

Outras Notícias