Benfica

Waldschmidt salva a águia mas não o futebol da Luz

Waldschmidt salva a águia mas não o futebol da Luz

Alemão virou o resultado na última jogada do duelo. Paços de Ferreira jogou cara a cara com o Benfica e podia ter alcançado outro resultado.

Um golo de Waldschmidt, no derradeiro suspiro, selou a reviravolta das águias que venceram o Paços de Ferreira (2-1), na Luz. O triunfo permitiu ao conjunto voar para o segundo lugar e aproximar-se da liderança - Braga caiu no Jamor e leão marcou passo em Famalicão. O tento do alemão salvou o resultado, mas não apaga a qualidade cinzenta do futebol da equipa encarnada, desta vez, essencialmente na vertente ofensiva.

O Benfica revelou pouco sentido coletivo, falta de fluidez e criatividade nas ações atacantes, e exagerou nos desequilíbrios pelo centro do terreno, onde não revelou qualidade e fez sempre tudo com demasiada sofreguidão e pouco critério. Mas foi pela direita e num passe longo que encontrou a solução para os problemas.

PUB

O Paços de Ferreira jogou olhos nos olhos com as águias e demonstrou que o currículo à entrada na Luz - quatro triunfos consecutivos, três deles sem golos sofridos - se justificava. Os pacenses evitaram a saída organizada, saltaram a pressão da águia e deixaram-na desconfortável. Perderam de forma algo injusta, mas venceram claramente pela atitude e a imagem de bom futebol.

O Benfica jogou junto à área contrária, mas foi sempre apressado nas ações. O passe em progressão é quase sempre feito para a zona do colega mais próximo, mas sem a precisão necessária. Os pacenses, por sua vez, cresceram gradualmente e revelaram muito do seu bom momento. Vlachodimos impediu a vantagem de Tanque, mas a nega do grego já não se repetiu na bomba de Oleg que deixou o onze de Pepa confortável e à beira de um duplo golpe. Só que Tanque deslumbrou-se com tanta facilidade.

As águias reagiram, mas os problemas mantiveram-se. As entradas de Seferovic, Gabriel e Waldschmidt, já na segunda parte, aumentaram a vivacidade.

Não houve melhoria na lucidez das movimentações, mas o conjunto jogou de foma mais simples e tornou-se mais perigoso. Rafa empatou e Darwin fez a bola embater na trave. Num duelo aberto, o Paços também falhou a estocada. Tudo parecia definido até ao último golpe do alemão, num cabeceamento a passe de Gabriel.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG