Portela

Aeroporto de Lisboa fecha para obras de janeiro a junho após as 23.30 horas

Aeroporto de Lisboa fecha para obras de janeiro a junho após as 23.30 horas

Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, vai ficar limitado devido às obras de expansão. Companhias terão de recalendarizar rotas.

A ANA - Aeroportos já comunicou às companhias aéreas que o aeroporto de Lisboa irá encerrar por completo durante o período noturno de janeiro a junho. O fecho servirá para realizar as obras de extensão do espaço para estacionamento de aviões e "taxyway" previstas no programa de aumento de capacidade aeroportuária de Lisboa.

O encerramento acontece entre as 23.30 e as 6 horas, indicou José Lopes, diretor da easyJet em Portugal, no âmbito da apresentação de resultados da companhia.

No caso da easyJet, este fecho nocturno obriga a companhia a deixar cair a rota que ligava Lisboa a Lille e que ultrapassava a faixa horária agora eliminada.

Mas há outras rotas que estão a ser recalendarizadas dentro das faixas horárias - poucas - diurnas que o aeroporto Humberto Delgado ainda permite. O único receio do responsável é o chamado "efeito de bola de neve" que vai atrasando a operação por constrangimentos relacionados com outros aeroportos e controlos de tráfego aéreo e que acabam por levar a um prolongamento dos horários estipulados, diz o responsável.

"Esperemos que seja possível cumprir o calendário de obras", acrescenta José Lopes, destacando que "tudo o que sejam iniciativas para aumentar a capacidade atual e estimular a atividade são bem vindas".

O arranque do período de obras da Portela marca o início de uma nova fase para o aeroporto de Lisboa, que receberá um investimento superior a um milhão de euros que se dividem entre o Humberto Delgado e o Montijo. O atual aeroporto de Lisboa vai beneficiar de um investimento de 650 milhões de euros; o Montijo recebe 450 milhões.

O diretor da easyJet em Portugal não quis prolongar-se em declarações sobre a base aérea do Montijo, que chegará em 2022 como extensão da capacidade do aeroporto de Lisboa, mas realçou que "sem o Montijo a Portela não cresce", adoptando uma postura mais aberta do que aquela que a easyJet tem vindo a mostrar ao longo dos últimos anos, desde que se pondera o Portela+1.

Fechar a porta ao projeto? "Não é necessariamente assim porque é um projeto integrado de crescimento. É impossível fazer uma sem a outra. O importante é podermos crescer e olhar para as soluções possíveis com os recursos que o país tem à sua disposição", destacou o responsável, que remeteu para breve uma posição mais taxativa em relação ao futuro da easyJet nesta pista complementar.

Para breve está também o anúncio de um reforço de equipas em Portugal. Atualmente a companhia aérea de baixo custo conta com 329 pessoas alocadas às duas bases de Lisboa e Porto mas futuramente, "vamos contratar porque vamos trazer uma nova aeronave para Portugal", avançou já José Lopes, sem indicar, porém, o local onde será feito um reforço.

Atualmente, a easyJet conta com 8 aviões na rede portuguesa, e 66 rotas, cinco das quais abertas já este ano. A companhia tem uma quota de mercado global de 11,4% em Portugal, o que a situa como terceira maior companhia a operar em Portugal, logo depois da TAP e Ryanair.

* Dinheiro Vivo