O Jogo ao Vivo

Motoristas

Antram diz que acordo vai permitir dar melhores condições de trabalho

Antram diz que acordo vai permitir dar melhores condições de trabalho

O vice-presidente da associação patronal Antram, Pedro Polónio, considerou hoje que o acordo assinado entre Governo, patrões e sindicatos de motoristas de mercadorias para regular cargas e descargas permitirá às empresas dar melhores condições de trabalho aos funcionários.

Pedro Polónio falava aos jornalistas no final da assinatura do acordo-quadro resultante do grupo de trabalho criado para avaliar o funcionamento das cargas e descargas, operações de que os motoristas se queixaram nas greves de abril e agosto.

"O acordo de facto vem ao encontro das expectativas das empresas. É um acordo importante porque vai permitir às empresas dar melhores condições de trabalho aos seus trabalhadores e, por sua vez, também irá tendencialmente melhorar a rentabilidade das empresas e permitir encarar os novos custos com salários que vamos ter a partir do próximo dia 01 de janeiro de 2020", afirmou o representante da Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (Antram).

Na quinta-feira, o jornal Público avançou a notícia de que, à luz deste acordo, "o expedidor ou destinatário de uma carga que faça com que um motorista de transporte de mercadorias tenha de esperar mais de duas horas para efetuar o serviço de carga e descarga para o qual foi contratado vai ter de pagar uma indemnização pelo tempo de paralisação do veículo".

A mesma publicação referia ainda que "por cada hora que um camião esteja parado além dessas duas horas será devido um pagamento entre os 12 e os 40 euros por hora, consoante a capacidade do veículo ou se este está a fazer serviço nacional, ibérico ou internacional".

Também fica definido que as cargas e descargas não são uma função a desempenhar pelos motoristas, salvo algumas exceções.

PUB

Pedro Polónio considerou ainda que este acordo que hoje foi assinado vai permitir um "maior respeito" para com as empresas de transporte de mercadorias e também para com os motoristas.

"Se nós formos todos mais respeitados também iremos produzir melhor e também acabar por servir melhor os nossos clientes", sublinhou.

Na opinião da Antram, o acordo-quadro para regular as operações de cargas e descargas vem fechar um ciclo, depois de duas greves de motoristas de mercadorias, em abril e agosto deste ano, e das negociações para um novo acordo coletivo de trabalho para o setor.

"O nosso setor precisava de facto de ter algumas mudanças e as primeiras mudanças começaram a ser realizadas fortemente no ano passado com o primeiro contrato coletivo que veio, ao fim e ao cabo, acabar com um deserto de cerca de 22 anos sem alterações salariais, a não ser aquelas que eram impostas pela remuneração mínima salarial", acrescentou o representante dos patrões.

O grupo de trabalho composto pelos ministérios das Infraestruturas, Economia e Trabalho, os sindicatos e a associação patronal foi criado com o objetivo de melhorar a regulamentação das operações de cargas e descargas no setor dos transportes de mercadorias.

Os motoristas de matérias perigosas cumpriram duas greves este ano: uma em abril, exigindo melhores condições salariais, que parou o país esgotando os 'stocks' de vários postos de abastecimento de combustível, e outra em agosto (esta convocada em conjunto com o SIMM) para reivindicar junto da Antram o cumprimento de um acordo assinado em maio, que previa uma progressão salarial.

Já depois de o SIMM se ter desvinculado da greve de agosto e de ter anunciado que ia regressar às negociações com o patronato, os motoristas de matérias perigosas chegaram a entregar um pré-aviso para uma nova greve em setembro, desta feita ao trabalho extraordinário, fins de semana e feriados, que não chegou a realizar-se devido à assinatura de um princípio de acordo com a Antram.

Estas greves levaram à intervenção do Governo, que adotou medidas excecionais para assegurar o abastecimento de combustível e que assumiu também o papel de mediador nas negociações entre patrões e motoristas.

Em 29 de outubro, a Antram e os sindicatos de motoristas assinaram o novo contrato coletivo de trabalho para a classe profissional.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG